Rendição na guerra dos DVDs abala otimismo de estrela da Toshiba

Más notícias jamais pareceram abalar ootimismo de Yoshihide Fujii, presidente da divisão de produtoseletrônicos de consumo do conglomerado eletrônico japonêsToshiba . Diante de perguntas sobre as vendas lentas dos aparelhos deHD DVD --o formato de DVD que a Toshiba abandonou naterça-feira-- na América do Norte, ele costumava se referir àdemanda por drives HD DVD instalados nos computadores Toshiba. E perguntado sobre quem compraria um gravador de HD DVD por398 mil ienes (3,7 mil dólares), ele respondia: "Eu comprariaeste produto até por um milhão de ienes." Mas a conversa otimista de Fujii mudou abruptamente depoisque o estúdio Warner Bros, da Time Warner, abandonou o HD DVD,em janeiro, e anunciou que lançaria as versões de altadefinições de seus filmes no formato Blu-ray, promovido pelaSony e Matsushita Electric Industrial . No dia seguinte, Fujii cancelou a viagem que tinhaplanejado à Consumer Electronics show, em Las Vegas, e umevento promocional sobre o formato HD DVD. O acervo imenso defilmes da Warner Bros. queria dizer que 70 por cento daprodução de Hollywood estaria em formato Blu-ray, e osespecialistas começaram a prever o fim do HD DVD. "Não se trata do Fujii-san que conheço", disse um executivoda Sony, que descreveu o executivo da companhia rival como umconstrutor de alianças "persistente e charmoso", que haviaajudado a formar uma parceria com a Sony no passado para aprodução do microchip Cell, hoje usado no console de videogamePlayStation 3. Fujii era um astro na divisão de microchips da Toshiba,conglomerado cujos produtos variam de usinas nucleares arefrigeradores. Mas o sucesso não o acompanhou quando ele se transferiupara a divisão de bens eletrônicos de consumo, uma área dedesempenho morno, em 2004, para comandar os esforços da empresade desenvolver um produto de grande sucesso, como o iPod, daApple . "O conteúdo é que determina que formato vencerá, e há muitotempo o voto do conteúdo vem sendo muito favorável ao Blu-ray",disse David Gibson, analista da Macquarie.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.