Lisi Niesner/ Reuters
Lisi Niesner/ Reuters

Reino Unido anuncia fundo de emergência de 647 milhões de dólares para cinema e TV

'A questão da obtenção de seguros relacionados ao coronavírus apareceu rapidamente como o maior obstáculo para produtores independentes', disse Ben Roberts, diretor-executivo do Instituto Britânico de Cinema

Andrew MacAskill, Reuters

29 de julho de 2020 | 09h57

O Reino Unido anunciou um fundo de 500 milhões de libras (647 milhões de dólares) para ajudar empresas de Televisão e Cinema a retomarem suas produções após empresas reclamarem que não conseguiam receber seus seguros por conta da pandemia de coronavírus. 

Gravações foram suspensas abruptamente em março com a propagação do coronavírus e o lockdown imposto pelo governo britânico. Enquanto cineastas tentam voltar ao trabalho, algumas seguradoras pararam de oferecer a cobertura necessária contra a covid-19 para assegurar o financiamento. 

O governo anunciou que o fundo securitário estará disponível para todas as produções feitas por empresas onde pelo menos metade do orçamento será gasto no Reino Unido, e deve cobrir mais de 70% do mercado de produção cinematográfica e televisiva.

“De dramas premiados a comédias icônicas e documentários reverenciados, o Reino Unido faz filmes e televisão que o mundo não pode esperar para assistir. O anúncio de hoje significa mais claquetes sinalizando ação”, disse Oliver Dowden, ministro britânico da Cultura. 

A decisão acontece depois de meses de negociações com a indústria de TV e Cinema e foi recebida calorosamente. 

“A questão da obtenção de seguros relacionados ao coronavírus apareceu rapidamente como o maior obstáculo para produtores independentes”, disse Ben Roberts, diretor-executivo do Instituto Britânico de Cinema, que descreveu o novo fundo como “realmente excelente notícia para nosso negócio de produção, empregos e para a economia”.

 

Tudo o que sabemos sobre:
cinematelevisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.