Região entre Paulista e Centro volta a ser badalada

A reabertura do Cine Belas Artes ? agora HSBC Belas Artes ? hoje, depois de quatro meses de reforma, mostra que as mudanças vão muito além da fachada. As poltronas estão mais modernas, os corredores ganharam novos cafés e bilheterias, o sistema de som e as lentes de projeção foram renovados e há até uma sala com projeção digital. Além da reforma na estrutura do prédio, que tem quatro pisos e 1.000 lugares, as seis salas se destacam pela programação caprichada. André Sturm, proprietário da distribuidora Pandora Filmes, e Fernando Meirelles, diretor de Cidade de Deus, da produtora O2, cuidam dos filmes que entrarão em cartaz. O brasileiro Cronicamente Inviável, de Sérgio Bianchi, será relançado junto com a programação de estréia do novo complexo, que inclui Histórias Mínimas, de Carlos Sorín, O Outro Lado da Rua, de Marcos Bernstein e o blockbuster O Dia Depois de Amanhã, de Roland Emmerich. ?Teremos qualidade de cinema de shopping e programação de cinemateca?, disse Meirelles.Na sala com projeção digital, serão exibidos filmes que geralmente não chegariam ao Brasil por não justificar o investimento de um distribuidor. ? O banco asiático HSBC está investindo R$ 20 milhões em ações de marketing em São Paulo este ano, entre elas a revitalização do Belas Artes. ?Faz três anos que a O2 e a Pandora procuram oportunidades para abrir um complexo de cinema. Já negociamos galpões e terrenos para construir salas, mas nunca deu certo. André Sturm propôs a sociedade e nós topamos no ato?, diz Meirelles. O HSBC Belas Artes abrigará eventos especiais como a Sessão Segunda Chance, destinada às produções que ficam pouco tempo em cartaz, a World Cinema, com filmes estrangeiros e independentes. E quem gosta de maratonas não pode perder o mensal Noitão: três filmes seguidos, das 23h30 da sexta-feira até às 5h do sábado.HSBC Belas Artes - Rua da Consolação, 2423, telefone 3258-4092.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.