Reforma radical moderniza Cine Belas Artes

O cheiro de pipoca voltará a reinar na rua da Consolação. Mais precisamente, ao redor do antigo Cine Belas Artes, que está sendo reformado e reabrirá suas portas no final deste mês, inclusive durante algumas madrugadas. O HSBC Belas Artes, nome do novo complexo, é resultado de uma associação entre o banco de origem asiática sediado em Londres, a produtora O2, do cineasta Fernando Meirelles (Cidade de Deus), e a distribuidora Pandora Filmes, de André Sturm. "A idéia é oferecer uma programação ampla e de qualidade, que reúna sucessos do cinema comercial, filmes premiados em festivais e até mesmo produções desconhecidas da mídia e do público", diz Sturm. Ao lado de Meirelles, o cineasta é responsável pela lista de títulos que entrarão em cartaz a partir do final de abril. sonho - Quando a distribuidora francesa Gaumont, responsável pelo Cine Belas Artes, deixou o Brasil, o cinema entrou em processo de decadência e chegou a ser ameaçado de fechamento, no final de 2002. André Sturm, que sempre sonhou ter seu próprio cinema, procurou os proprietários e propôs uma sociedade. No início de 2003, assumiu parte do negócio, com perspectivas de recuperação e renovação do espaço. "Hoje, com a nova parceria, estou realizando o sonho de viabilizar o projeto com sócios que têm interesses comuns", diz Sturm. O cineasta conta que mantém uma relação afetiva com o Belas Artes, pois foi ali que assistiu, nos anos 80, a grandes produções de Fellini e Antonioni. "Foi naquele cinema, também, onde assisti a um filme pela segunda vez na vida, ainda criança." Depois dos cerca de 120 dias de reformas, os amantes da sétima arte vão ganhar salas de cinema com sistema de som e lentes de projeção novas, além de poltronas mais modernas. Com projeto arquitetônico de Roberto Loeb e comunicação visual do designer Alexandre Toro, que faz parte da equipe da O2, o cinema terá uma nova fachada, além de um hall de entrada mais amplo. Ali, os 120 m2 de área do salão terão lugar para cafeteria, quatro bilheterias e um mezanino. "Para que as pessoas não precisem mais esperar em filas do lado de fora do cinema, como acontecia antigamente, cada andar terá um lobby com bar e bonbonnière", diz Andrea Barata, sócia de Fernando Meirelles. Corredores estreitos e os tetos das salas também foram ampliados. "A iniciativa de patrocinar a revitalização do Belas Artes faz parte de uma estratégia que inclui reforçar os laços com a capital paulista", ressalta Glen Valente, diretor de Marketing e Produtos do HSBC Bank Brasil. A companhia está investindo R$ 20 milhões em ações de marketing na cidade este ano. "A proposta de apoio foi muito recebida pela empresa, já que temos um relacionamento bem próximo com os diretores da O2, com quem trabalhamos anteriormente", afirma. "O contrato inicial de patrocínio é de sete anos, mas esperamos escrever uma história de cem."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.