Reeves volta ao topo com estréia 'O Dia em que a Terra Parou'

Nova versão de filme de ficção científica de 1951 arrecadou US$ 31 milhões com venda de ingressos desde 6ª

Dean Goodman, da Reuters,

08 de dezembro de 2015 | 11h48

O ator Keanu Reeves conseguiu mais um improvável sucesso de bilheterias para sua carreira. O Dia em que a Terra Parou, versão de um filme de ficção científica de 1951, foi o mais visto do fim de semana nos Estados Unidos e no Canadá. O longa, bastante ridicularizado pelos críticos, arrecadou cerca de US$ 31 milhões com a venda de ingressos desde a estréia, na sexta-feira, 12, informou a distribuidora 20th Century Fox. Nas bilheterias mundiais, o filme lucrou US$ 39 milhões obtidos em 90 mercados. A Fox informou que o longa é o primeiro em 53 destes mercados, incluindo a Rússia (US$ 5,6 milhões) e o Reino Unido (US$ 4,1 milhões). A produção do filme custou cerca de US$ 80 milhões, segundo a Fox. Os lucros nas bilheterias norte-americanas estão dentro do esperado. Essa é a melhor estréia de Reeves desde Matrix Revolutions, de 2003, o terceiro filme da trilogia Matrix, que obteve, no total, US$ 139 milhões. Desde então, ele estrelou uma série de filmes artísticos, como A Casa do Lago, de 2006. Em O Dia em que a Terra Parou, Reeves, de 44 anos, faz o papel do alienígena Klaatu, que salva a Terra. Ele contracena com a atriz Jennifer Connelly. O diretor é Scott Derrickson, do Exorcismo de Emily Rose. Depois de duas semanas no topo, a comédia Four Christmasses escorregou para o segundo lugar, com US$ 13,3 milhões, arrecadando um total de US$ 88 milhões desde a estréia. A única novidade entre os 10 filmes mais bem sucedidos também é natalina. Nothing like the Holidays estreou em sétimo lugar, com US$ 3,5 milhões. Os analistas do setor estimavam um lucro de US$ 5 a 6 milhões. Em terceiro lugar, está Twilight, com US$ 8 milhões. A animação Bolt - Supercão está em 4º lugar, com US$ 7,5 milhões. Já o drama Austrália, com Nicole Kidman, lucrou US$ 4,3 milhões neste fim de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.