Reeves vive assassino sensível em "O Observador"

Se você for um serial killer, não encontrará boas dicas para sua atividade favorita em O Observador. Para começar, você não é Keanu Reeves, logo a vida real não oferecerá tantas coincidências e chances para escapar da polícia quanto o roteiro desse filme sacrílego, que invoca o nome de Hitchcock em vão.O detetive Joel Campbel passou anos perseguindo assassinos psicóticos, muitas vezes fracassando em suas missões, e agora decidiu se refugiar em Chicago e mudar de vida. Mas uma série de crimes ocorre e quem está por trás deles é um criminoso que quer destruir Campbel. Nos intervalos de suas crises, o detetive corre atrás do serial killer apelidado "O Observador", cuja mania é estudar os hábitos de suas vítimas para depois estrangulá-las com uma corda de piano.Keanu Reeves é um assassino sensível. Ele adota o gato de uma das mulheres que mata, gosta de música clássica, veste um modelito hippie chique e seus cabelos compridos ficam soltos, não presos num rabo-de-cavalo, coisa de segurança latino. Ele persegue o tira de Los Angeles a Chicago, mas na verdade só mata para chamar a atenção do detetive. A história de amor não tem final feliz. O diretor Joe Charbanic também não: mostra que sua única habilidade é, de tempos em tempos, disparar um efeito luminoso de flash, acompanhado por um barulhão. Perfeito para acordar a gente no cinema.O Observador(The Watcher) Suspense. Dir. Joe Charbanic. EUA/2000. Dur. 96 min. Com James Spader, Keanu Reeves Marisa Tomei.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.