Reestréia um Almodóvar subversivo

A reestréia de Maus Hábitospermite boa comparação entre o Pedro Almodóvar de 20 anos atrás,e o mais sereno e maduro de agora. O cineasta que tem encantadoa todos com Fale com Ela aprendeu a filmar com elegância eemoção. Mas há quem sinta falta daquele demolidor anárquico docomeço dos anos 80. Pois bem, essa sátira anticlerical impiedosade 1984 serve para matar as saudades. Nessa comédia meio louca temos uma cantora de cabaréperseguida, que busca esconderijo seguro em um mosteiro. Láencontra um mundo mais alucinado do que aquele que deixou. Umadas monjas escreve contos pornográficos. Outra é adicta dedrogas pesadas. Uma terceira é adepta do sadomasoquismo. Enfim,uma fauna. Seus nomes bastam para defini-las: Pecado, Esterco,Víbora. E assim por diante. Tudo isso não parece muito óbvio? E é mesmo. Uma coisa éo anticlericalismo inteligente. Outra, a grosseria sem muitopropósito e, no fundo, ineficaz. No entanto, essa posição comrelação à Igreja é um traço histórico do cinema espanhol, emespecial na tradição de Luis Buñuel. Dom Luis começou comodemolidor. Seus dois primeiros filmes, Um Cão Andaluz e AIdade de Ouro são verdadeiras vergastadas surrealistas naIgreja. Mas em nada se comparam ao anticlericalismo esclarecidode Viridiana e Nazarín - estes sim corrosivos deverdade. Em Viridiana, Buñuel se ocupa em dinamitar a noçãocristã da caridade. Em Nazarín, acompanha as desditas de umpadre disposto a viver vida santa como a de Nosso Senhor. Ouseja, Buñuel aprendeu, com a experiência, que pequenas doses deexplosivo, colocados em lugar certo, podem ser mais eficazes queexplosões aleatórias. Tudo isso para dizer que Almodóvar fez percursosemelhante. A sua é uma geração que virou adulta no fim dofranquismo. Depois de 40 anos de ditadura fascista, a Espanhalivrou-se do regime de Franco e sua libertação se deu sob aforma da euforia. Da democracia à "movida" madrileña, todomundo se fartou. O manchego Almodóvar era uma das figurascarimbadas dessa festa permanente em que se transformou a noitede Madri com a redemocratização política e a nova liberdade doscostumes. A tendência, natural, era se voltar contra as antigasformas de opressão. Denunciar seus malefícios, castigar osantigos donos do poder, ironizá-los, exorcizar velhos fantasmas.A Igreja entrava no jogo por conta de suas ligações íntimas como regime de Francisco Franco. Com o tempo, o ímpeto inicial foi passando. As pessoasse acostumam com a liberdade e não precisam apregoar o tempotodo que são livres. Além do mais, Almodóvar ia amadurecendo comartista. Foi arredondando seu estilo até se projetar no cenáriointernacional com Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos.Tornou-se então famoso, uma instituição, o mais importantediretor de seu país depois de Luis Buñuel que, aliás, foiobrigado, pelas circunstâncias políticas, a fazer carreira noexterior - parte na França, parte no México. Almodóvar não. Trabalhou e trabalha na Espanha. E lámesmo sofre outro tipo de restrição, este por parte daintelligentsia, que entende ser a representação que ele faz dacultura espanhola muito estereotipada. Mas, enfim, depois da fama de Mulheres à Beira de umAtaque de Nervos, Almodóvar fez os subversivos Ata-me, ALei do Desejo, Matador, entre outros. Um punhado de filmesque analisam, com rara acuidade, a natureza da pulsão sexualhumana, no que ela tem de mais forte e irredutível à ordem e ànormalidade. Criou um estilo próprio, uma forma de narrar que sefoi depurando, e também um arsenal de conceitos que lhe permitecompreender melhor a vida e as relações humanas. De tal formaque um crítico espanhol, ao comentar o lançamento de Fale comEla, disse que Pedro Almodóvar parece conhecer alguma coisa dasexualidade que vai além da compreensão média dos homens. Parece mesmo. E a vantagem é que juntou ternura à antigaveia subversiva. Esta, ele expressou em filmes como MausHábitos. A ternura veio com o tempo. Juntas, formam uma obracompacta e sem paralelo no cinema contemporâneo.Maus Hábitos (Entre Tinieblas) - Comédia. Direção dePedro Almodóvar. Esp/84. Duração: 107 minutos.14 anos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.