Raoul Peck, ativista político e grande diretor, em exibição em São Paulo

Evento no Cine Olido propõe a revisão e até a descoberta de obras seminais do mais destacado cineasta haitiano

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

06 de agosto de 2014 | 02h00

Para muitos espectadores – e até cinéfilos –, será uma dupla surpresa saber não apenas que existe cinema no Haiti, mas também que a mais pobre república das Américas possui um cineasta dos mais prestigiados. Chama-se Raoul Peck. Foi jurado em Cannes (2010) e Berlim (2002). Aclamado por seu documentário Lumumba – La Mort du Prophète, dirige desde 2010 a La Fémis, ex-Idhec, a mais famosa escola de cinema da França.

Você tem agora a oportunidade rara de assistir a uma mostra de filmes de Raoul Peck. Ele nasceu em Port au Prince, 1953. Fugindo da ditadura de Papa Duvalier, a família refugiou-se no Congo. Vem daí a fascinação de Raoul pela mítica figura de Patrice Lumumba, a quem dedicou dois filmes – uma ficção (com Alex Descas) em 2000, e o já citado documentário de 1992.

Dizer que se trata de um grande diretor não dá conta da pluralidade da figura. Raoul Peck foi motorista de táxi em Nova York, fotógrafo e jornalista na Alemanha, onde se formou em cinema. De volta ao Haiti, estabeleceu-se como cineasta e ativista político. Por um breve período, em 1996/1997, foi ministro da Cultura do Haiti. Registrou sua experiência num livro – Sr. Ministro, Até Perder a Paciência

A mostra resgata seis de seus 20 filmes, quase todos nas bordas da ficção e do documentário. Os dois sobre o líder africano assassinado em 1961 e também Canto do Haiti, sobre o desejo de vingança de um haitiano que foi torturado e reconhece numa livraria, em Nova York, seu antigo torturador; O Homem das Docas, que evoca a ditadura pelos olhos de uma menina; Moloch Tropical, centrado no governante Jean de Dieu; e O Lucro e Nada Mais, que documenta a miséria haitiana (e quem lucra com ela). 

RAOUL PECK

Galeria Olido – Cine Olido. Avenida São João, 473, Centro, 3331-8399/ 3397-0171. De 6 a 19/8. Ingressos: R$ 1.

Tudo o que sabemos sobre:
CinemaRaoul Peck

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.