Quentin Tarantino conta em aula seus segredos na direção

Diretor de 'Pulp Fiction' e 'Kill Bill' diz em sua 'Lição de Cinema', que fez curso de ator para aprender a dirigir

Flávia Guerra, enviada especial,

08 de maio de 2022 | 18h23

Qual a receita para se tornar um cineasta? E, mais que isso, um ótimo cineasta? Se depender de Quentin Tarantino, a formula do sucesso é simples: "Pegue uma câmera, arranje um equipamento, ainda que velho, e saia filmando. É a melhor escola de cinema que você pode ter. Você aprende a fazer. E aprende a filmar assim"  Veja também:Acompanhe a cobertura no blog do Merten   Teste seus conhecimentos sobre o Festival de Cannes Galeria de fotos do Festival de Cannes   Esta foi uma das tantas lições de cinema que o cineasta americano deu para uma platéia que lotou nesta quinta, 22, a sala Debussy do Festival de Cannes. Tarantino foi o nome escolhido para estrelar a Lição de Cinema desta edição do festival, que já contou com nomes como Martin Scorsese (no ano passado), Catherine Deneuve...  E quando se fala do mais teen dos atuais diretores, a platéia, claro, é formada por um incontável número de adolescentes fanáticos que praticamente se esbofeteou para conseguir uma vaguinha na escola do professor Tarantino. Valeu à pena. Foi uma senhora aula de cinema. O diretor de já clássicos da cultura pop como Pulp Fiction, Jackie Brown e Kill Bill 1 e 2, não só contou como foi o início de sua carreira como também exibiu trechos memoráveis de seus filmes e explicou detalhe por detalhe cada escolha de posição da câmera, criação de diálogos, direção de arte. Para Tarantino, tão importante quando 'sair filmando' é 'virar ator'. "Isso mesmo. Vire ator antes de qualquer coisa. Eu não fui fazer aula de roteiro, nem de direção, nem de fotografia, fui estudar atuação. Porque cada vez que eu ia filmar um ator, eu entendia como ele estava se sentindo porque eu também me imaginava, como ator, o que eu sentiria na hora", disse ele a seus 'alunos'.  Tarantino sabe do que está falando. E fala muito bem para sua jovem platéia, que assistiu animada cenas como a da discussão de 'como o Quarteirão com Queijo do Mc'Donalds se chama na França. "Eu descobri que se chama Cheese Royale quando eu viajei pela primeira vez para a Europa. Tinha acaba de terminar Cães de Aluguel e queria conhecer o mundo. Na volta, claro, eu ficava fazendo comparações e contando tudo para meus amigos. Coloquei isso no Pulp Fiction. Aliás, como sempre, eu coloco minha vida, minha infância, minhas referências, meus lugares preferidos, onde cresci, estudei, o que vi, nos meus filmes. Funciona por isso, porque são autênticos."  O 'mestre' Tarantino tem toda razão. Seu cinema pop pode não agradar a todos, mas funciona como poucos com seu público.   

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.