Paris Filmes
Paris Filmes

Projetos pessoais prevalecem sobre filmes de nomes consagrados no Oscar 2017

O orçamento apertando de 'Moonlight–À Luz do Luar' fez com que o elenco e a equipe compartilhassem um trailer

Jill Serjeant, Reuters

21 de fevereiro de 2017 | 16h14

O Oscar deste ano está repleto de projetos alimentados por uma paixão e por visões profundamente pessoais que prevaleceram sobre o ceticismo, problemas de financiamento e a sabedoria convencional.

Para o favorito La La Land–Cantando Estações, que o diretor Damien Chazelle levou seis anos para concretizar, e o azarão indie Moonlight–À Luz do Luar, feito com um orçamento tão apertado que o elenco e a equipe compartilharam um trailer, o caminho tortuoso até a cerimônia só fez aumentar seu charme.

Outros filmes recentes, como Silêncio, que Martin Scorsese demorou 28 anos para fazer, e No Rules Apply, com o qual Warren Beatty flertou durante duas décadas, foram esnobados na temporada de premiações e nas bilheterias, assim como o projeto pessoal de Ben Affleck, A Lei da Noite.

Observadores dos prêmios de Hollywood dizem que isso pode ter pouco a ver com a habilidade e o comprometimento dos cineastas, mas certos projetos passionais e seus criadores encontraram uma maneira de chegar às plateias no que acabou se revelando como o momento certo, mesmo anos depois de terem sido concebidos.

"A ocasião é tudo para estes filmes e como eles ecoam. É uma questão de paixão, mas também de estar no lugar certo na hora certa", afirmou Pete Hammond, colunista do site Deadline.com.     

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.