Paris Filmes
Paris Filmes

Projetos pessoais prevalecem sobre filmes de nomes consagrados no Oscar 2017

O orçamento apertando de 'Moonlight–À Luz do Luar' fez com que o elenco e a equipe compartilhassem um trailer

Jill Serjeant, Reuters

21 de fevereiro de 2017 | 16h14

O Oscar deste ano está repleto de projetos alimentados por uma paixão e por visões profundamente pessoais que prevaleceram sobre o ceticismo, problemas de financiamento e a sabedoria convencional.

Para o favorito La La Land–Cantando Estações, que o diretor Damien Chazelle levou seis anos para concretizar, e o azarão indie Moonlight–À Luz do Luar, feito com um orçamento tão apertado que o elenco e a equipe compartilharam um trailer, o caminho tortuoso até a cerimônia só fez aumentar seu charme.

Outros filmes recentes, como Silêncio, que Martin Scorsese demorou 28 anos para fazer, e No Rules Apply, com o qual Warren Beatty flertou durante duas décadas, foram esnobados na temporada de premiações e nas bilheterias, assim como o projeto pessoal de Ben Affleck, A Lei da Noite.

Observadores dos prêmios de Hollywood dizem que isso pode ter pouco a ver com a habilidade e o comprometimento dos cineastas, mas certos projetos passionais e seus criadores encontraram uma maneira de chegar às plateias no que acabou se revelando como o momento certo, mesmo anos depois de terem sido concebidos.

"A ocasião é tudo para estes filmes e como eles ecoam. É uma questão de paixão, mas também de estar no lugar certo na hora certa", afirmou Pete Hammond, colunista do site Deadline.com.     

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.