Projeto promove exibições gratuitas de filmes em espaços públicos de São Paulo

Mostraí vai até o dia 20 de novembro

Maria Eduarda Chagas - ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S. Paulo

18 de outubro de 2014 | 16h00

Entre dois grafites na lateral do edifício de número 234, na Rua José Bonifácio, Largo São Francisco, em São Paulo, se destaca uma tela de cinema. Algumas pessoas, sentadas em cadeiras de praia, assistem às produções. Pipoca em uma mão, cerveja na outra. Trata-se do projeto Mostraí, que exibe gratuitamente curtas-metragens ao ar livre todas as quintas-feiras, de 18h às 22h, até o dia 20 de novembro. A abertura do evento fica a cargo de DJs ou karaokê.

Iniciativa das secretarias municipais de Cultura e de Desenvolvimento Urbano de São Paulo, o evento busca dar visibilidade a novos diretores brasileiros. Qualquer realizador pode inscrever o seu curta na página da mostra no Facebook, desde que a obra tenha sido finalizada a partir de 2011 e tenha classificação livre. Depois, os usuários da rede social podem votar quantas vezes quiserem em seus candidatos preferidos. Os dez trabalhos mais votados pelos internautas são exibidos na semana seguinte.

Um dos escolhidos para a primeira sessão da mostra, no começo deste mês, foi Fale Agora - Ou Cale-se Para Sempre, terceiro curta de Beto Besant, de Santo André. “Legal ocupar esses espaços que parecem meio abandonados”, ressaltou o cineasta, que soube do evento pelas redes sociais. 

A arquiteta Raísa Drummond, que foi conhecer o Mostraí, também elogiou a utilização do espaço. No entanto, comentou que a divulgação poderia ser um pouco melhor. No primeiro dia de exibição, por volta de 21h30, apenas 15 pessoas permaneciam no local. Para o coordenador de Fomento ao Cinema da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, Renato Nery, a cultura do medo no centro da cidade gera uma invisibilidade do local. “As pessoas precisam se sentir convidadas a entrar”, afirmou.

Na Mostra. O convite também é feito pela Mostra Internacional de Cinema São Paulo. Este ano, o Largo São Francisco vai ser cenário, pela primeira vez, de uma sessão do evento. O documentário Domingo, de Karim Aïnouz, cujo tema é a própria capital paulista, será projetado no sábado, às 20h. 

A Mostra ainda terá oito sessões no vão livre do MASP, a partir de segunda-feira, e uma no Parque do Ibirapuera. Para Renata de Almeida, diretora da Mostra, os cinemas nas ruas representam uma nova forma de ver o filme. “Você, de alguma maneira, dialoga com a cidade, você olha o filme, mas olha a seu redor também.” 

As sessões no parque, em geral, têm clima de festa. No ano passado, cerca de 15 mil pessoas compareceram à projeção ao ar livre, de acordo com a organização do evento. Este ano, na área externa do Auditório Ibirapuera, a Mostra presta uma homenagem aos 100 anos da criação de Carlitos, personagem que imortalizou Charles Chaplin. 

No dia 1.º de novembro, a partir de 20h, os espectadores poderão assistir ao longa O Circo (1928), último filme mudo de Chaplin, e ao curta Corrida de Automóveis para Meninos (1914), de Henry Lehrman, em que Carlitos aparece pela primeira vez. A exibição gratuita vem acompanhada da Orquestra Experimental de Repertório da Fundação Teatro Municipal de São Paulo, regida pelo Maestro Carlos Eduardo Moreno.

Outros projetos na cidade

Ao longo de novembro, a ONG Ecofalante inicia um projeto que levará filmes aos parques. A ideia é mostrar obras que discutam cultura, educação, cidadania e meio ambiente. “As pessoas que vão aos parques já têm uma relação mais construída com a natureza. Levar para essa população uma informação de qualidade é um ganho a mais”, explicou o diretor da organização, Chico Guariba. Este ano, as produções serão exibidas no Ibirapuera, no Parque do Carmo, no Pinheirinho d’água e no Parque do Rodeio. A partir do ano que vem, a iniciativa chega a 13 parques pela cidade.

Filmes mais comerciais também têm o seu espaço nas áreas verdes. No dia 8 de novembro, ocorre mais uma edição do SlowMovie. O longa Pequena Miss Sunshine (2006) vai passar às 19h30, no Parque Burle Marx. Mais cedo, a partir das 16h, o evento trará shows de Tiê e Bixiga 70.

Quem busca uma opção semanal de cinema ao ar livre pode recorrer à Praça Victor Civita, em Pinheiros. Lá é realizado o Cine na Praça todas as quintas-feiras, às 19h30. Criado em 2011, o programa foi interrompido em 2013 e voltou em agosto deste ano. Com o intuito de conquistar visitantes de idades, regiões e gostos diferentes, os organizadores optam por produções de gêneros bem diversos. Segundo a coordenadora de projetos, Maiara Paiva, o público varia bastante, principalmente em função do clima e da obra exibida, mas alguns frequentadores são cativos. “As pessoas vêm com cesta de piquenique, cobertor. Apesar de a gente estar a céu aberto, elas se sentem à vontade aqui.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.