Profissão de Risco traz história real

Profissão de Risco, filme que estréia amanhã nos cinemas de São Paulo, não é um drama sobre bombeiros de grandes cidades ou de voluntários da Cruz Vermelha no Timor. Depois do sucesso de Traffic, de Steven Soderbergh, é possível que um pequeno filme como Profissão de Risco - que estréia amanhã nos cinemas de São Paulo - venha a ser tratado a pontapés pelos críticos. Se isso ocorrer, será injusto. A história desse homem que ganhou US$ 100 milhões traficando cocaína, virou o braço direito de Pablo Escobar nos EUA e perdeu tudo, traído por todos, é tão fantástica que tinha mesmo de ser contada.Não parece uma história real, mas um delírio saído da cabeça de um roteirista ligado. O diretor Ted Demme dá sua contribuição, acentuando o clima kitsch dos anos 70. Nesse anti-Traffic, o que o espectador encontra, em vez do vasto painel, é a crônica intimista de um homem que faz escolhas erradas, confia nas pessoas erradas e no fim perde o amor da filha, o que, mais que a perda do dinheiro, dá a dimensão do seu fracasso. Johnny Depp, como sempre, é ótimo e o filme, triste.Profissão de Risco - (BLOW) - Ação. Dir. Ted Damme. EUA/2001. Dur. 123 min.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.