Produtor de 'Guerra ao Terror' pediu votos no Oscar por e-mail

Nicolas Chartier se viu obrigado a pedir desculpas à Academia por enviar e-mail 'extremamente inadequado'

EFE,

25 Fevereiro 2010 | 21h04

Nicolas Chartier, co-produtor de "Guerra ao Terror", filme candidato a nove prêmios Oscar, se viu obrigado a pedir desculpas por enviar um e-mail "extremamente inadequado" aos membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood.

Segundo a edição desta quinta, 25, do jornal "Los Angeles Times", Chartier enviou na semana passada um e-mail a colegas de profissão no qual pedia que votassem em "Guerra ao Terror" na categoria de Melhor Filme e não em "um filme de US$ 500 milhões", em referência a "Avatar", seu grande adversário na disputa.

"Espero que tenham gostado de 'Guerra ao Terror' e, se querem que ganhe, diga aos nossos amigos que votam nos prêmios Oscar, aos atores, diretores, membros das equipes de filmagem, diretores artísticos, técnicos de efeitos especiais... se todos falarem com um ou dois amigos, nós ganharemos, e não um filme de US$ 500 milhões", escreveu Chartier.

"Precisamos que os filmes independentes ganhem, portanto, se acham que 'Guerra ao Terror' é o melhor filme, ajudem-nos!", concluiu.

A mensagem provocou polêmica em Hollywood, já que uma das regras da Academia sobre os filmes candidatos ao Oscar diz que não está permitida qualquer forma de comunicação que tente promover um filme concretamente fazendo comparações negativas em relação a outros.

"Em particular, qualquer tática que destaque uma competição pelos títulos dos filmes está expressamente proibida", afirma a Academia.

Chartier reagiu pouco depois com outro e-mail no qual pedia desculpas por violar as regras.

"Minha ingênua ignorância das regras e minha plena estupidez como indicado pela primeira vez não são desculpas para meu comportamento e me arrependo profundamente", afirmou Chartier, produtor do filme junto com Kathryn Bigelow e Mark Boal, diretora e roteirista da obra, respectivamente.

O produtor também pediu desculpas a quem se sentiu ofendido por seus comentários.

"Ser candidato aos prêmios da Academia é uma honra, e eu deveria ter dedicado tempo para ler as regras", acrescentou.

A Academia ainda não se pronunciou sobre uma eventual punição a Chartier.

Mais conteúdo sobre:
'Guerra ao Terror'

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.