Produtor de 'Batman' pagará US$3 mi em escândalo sexual

Um júri considerou o produtor de filmes Jon Peters culpado de assédio sexual na sexta-feira e ordenou que o homem por trás de filmes como "Batman" pague mais de 3 milhões de dólares a uma ex-assistente pessoal.

REUTERS

27 de agosto de 2011 | 11h48

O júri de nove mulheres e três homens concedeu 822 mil dólares a Shelly Morita por compensação de danos. Eles acreditaram que Peters criou um ambiente de trabalho hostil e agiu com má fé, o que levou a uma segunda fase do julgamento na qual concederam a Morita outros 2,5 milhões de dólares.

Peters, um ex-cabeleireiro que se tornou empresário do cinema e cujos créditos incluem "A Cor Púrpura", "A Fogueira das Vaidades" e "O Retorno do Super Homem", não estava presente para os veredictos. Ao lado do ex-parceiro de negócios Peter Guber, ele ainda controlou o estúdio de filmes da Sony Pictures durante algum tempo.

Morita, uma mãe solteira de 44 anos, processou Peters e sua empresa, a J.P. Organization Inc, em dezembro de 2006.

Ela alegou que ele a tocou de forma inapropriada e que se esgueirou em sua cama quando estavam na Austrália para as filmagens de "O Retorno do Super Homem".

Em seu testemunho, Peters, de 66 anos, negou as acusações e seu advogado disse que apelará das sentenças.

Tudo o que sabemos sobre:
FILMEPRODUTORESCANDALO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.