Branko Lustig, ao centro da foto, a presidente da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovic, e o diretor do Yad Vashem Holocaust Memorial, Avner Shalev, (Foto: Nir Elias/Pool Photo via AP)
Branko Lustig, ao centro da foto, a presidente da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovic, e o diretor do Yad Vashem Holocaust Memorial, Avner Shalev, (Foto: Nir Elias/Pool Photo via AP)

Produtor de 'A Lista de Schindler' dá seu Oscar de presente a memorial do Holocausto em Israel

Branko Lustig é sobrevivente da Guerra e também levou uma estatueta por 'Gladiador'

Ori Lewis, REUTERS

22 Julho 2015 | 15h07

O sobrevivente de Auschwitz Branko Lustig, um dos produtores do filme A Lista de Schindler, presenteou o memorial do Holocausto Yad Vashem, em Israel, com sua estatueta do Oscar, dizendo que encontrou seu lugar certo para descanso.

Lustig, de 83 anos e nascido na Croácia, trabalhou com o diretor Steven Spielberg no filme de 1993 que ganhou sete prêmios Oscar. O filme conta a história do empresário alemão Oskar Schindler e seus esforços para salvar judeus da morte por esquadrões nazistas na Segunda Guerra Mundial.

"Estou muito honrado, acho que este é um bom (lugar de descanso) para o Oscar", disse Lustig à Reuters antes da cerimônia em Jerusalém nesta quarta-feira, 22, que teve presença da presidente da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovic.

Lustig disse que não sentiu que estava se separando de uma de suas duas estatuetas - a outra foi como produtor de Gladiador. "Não estou me separando dele, estou deixando-o para a nação, para gerações que estão por vir... Todos os visitantes do Yad Vashem poderão ver, em minha casa só há minha esposa e minha filha", disse.

Lustig, judeu nascido em Osijek, na Croácia, foi preso em Auschwitz e Bergen-Belsen. No final da guerra se reuniu com sua mãe, mas muitos membros da família, incluindo seu pai, foram mortos.

Ele voltou para Auschwitz em 2011 para celebrar seu Bar Mitzva, o rito de passagem dos jovens judeus, que lhe foi negado por conta da guerra.

Mais conteúdo sobre:
HolocaustoCinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.