Reprodução
Reprodução

Primeiro mutante desperta e quer destruir a Terra em 'X-Men Apocalipse'

Filme estreia nesta quinta-feira, 19, nos cinemas brasileiros; veja o trailer

Redação, Reuters

19 de maio de 2016 | 10h29

SÃO PAULO - X-Men Apocalipse é um exemplo de blockbuster dos novos tempos. Faz parte de uma franquia, fez um plano de marketing viral na internet, cultivando o público na escolha de cada ator e sequência do roteiro, tem um diretor talentoso, um excelente elenco, heróis extraordinários e segue uma concepção visual extravagante com excepcionais efeitos especiais.

Essas qualidades são compartilhadas pelos três últimos grandes lançamentos nos cinemas como Deadpool (Tim Miller), Capitão América: Guerra Civil (Joe e Anthony Russo) e Batman vs. Superman: A Origem da Justiça (Zack Snyder). Mas apesar de gerarem expectativas similares, pois compartilham as mesmas ferramentas, os resultados são absolutamente distintos. E X-Men pode explicar o porquê.

Extraído da fonte com significativas mudanças para se adaptar à versão cinematográfica, roteirizada por Simon Kinberg (de Dias de um Futuro Esquecido), a história tem início no Egito (visto em panorâmica) em 3600 A.C., quando En Sabah Nur dominava o planeta. Adorado com um deus, acaba traído enquanto transfere sua consciência para um corpo mais jovem (Oscar Isaac) e é soterrado pela pirâmide que construiu, onde fica hibernando.

Quando a narrativa corre para os anos de 1980, o espectador percebe que o professor Charles Xavier (James McAvoy) reconstruiu sua escola para mutantes ao lado de Fera (Nicholas Hoult), que acolhe os jovens Scott Summers, ou Ciclope (Tye Sheridan), Jean Grey (Sophie Turner) e Noturno (Kodi Smit-McPhee), que não sabem lidar com seus poderes.

Ao mesmo tempo, mostra o que ocorreu com Magneto (Michael Fassbender) e Mística/Raven (Jennifer Lawrence) após os acontecimentos de X-Men Dias de um Futuro Esquecido: enquanto ele se isolou na Polônia, ela se tornou heroína e passou a salvar mutantes em perigo.

Mas, En Sabah Nur desperta e, como se crê um deus --não apenas o primeiro mutante da história--, percebe que a humanidade e os próprios pares idolatram falsos deuses. Como divindade absoluta, pretende recriar a Terra à própria imagem, exterminando os fracos.

Como explicará a agente da CIA Moira Mactaggert (Rose Byrne) logo no começo do filme, o vilão se cerca de quatro cavaleiros (o que deu origem à passagem bíblica) para conduzir o seu plano. Serão eles Arcanjo (Ben Hardy), Psylocke (Olivia Munn), Tempestade (Alexandra Shipp) e o próprio Magneto, que está revoltado com a humanidade, graças a um acidente surpresa.

Na medida em que os planos avançam, Apocalipse sequestra o professor Xavier, pois quer se apossar de seus poderes. Sobrará aos seus alunos, em conjunto com Mercúrio (Evan Peters), que se soma aos heróis, deter o fim do mundo, tornando-se verdadeiros X-Men – termo que havia deixado de existir em Dias de um Futuro Esquecido.

Com esse roteiro, Bryan Singer fecha a segunda trilogia cinematográfica X-Men em uma trama ágil, bem humorada (em que as referências pop da década de 1980 ajudam) e cativante. Porém, é preciso ser um tanto condescendente com o texto, que não trabalha os conflitos dos personagens (e eles são muitos). 

Nesse sentido, o conteúdo perde muito espaço para a pirotecnia, para a fotografia de Newton Thomas Sigel (fiel colaborador de Singer) e o desenho de produção de Grant Major (da trilogia “Senhor dos Anéis”). O que ocorreu em Batman vs. Superman, por exemplo.

A narrativa corre para contar a história de todos, apesar das duas horas e meia de projeção, em vez de se centrar no problema. Foi uma escolha de Singer e dos produtores, com o objetivo de plantar as sementes da nova geração de mutantes que herdará os futuros filmes da franquia.

(Por Rodrigo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

Tudo o que sabemos sobre:
X-Mencinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.