Prêmio em Gramado emociona Milton Gonçalves

A abertura do 31.º Festival de Cinema de Gramado, ontem, teve orquestra sinfônica, exibição de dois longas-metragens e três curtas e os atores Os atores Werner Schünemann e Bete Mendes como mestres-de cerimônia. Hoje, o destaque do dia foi a homenagem ao ator Milton Gonçalves.O longa-metragem espanhol Los Lunes al Sol, de Fernando Leon de Aranoa, com Javier Bardem no elenco, foi exibido já com o título em português Segundas-feiras ao Sol e recebido com aplausos entusiasmados. O filme indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro é forte concorrente na mostra latina de Gramado. Dividiu a noite com o longa-metragem De Passagem, dirigido pelo estreante Ricardo Elias, que conta dois momentos decisivos na vida de três jovens da periferia paulista.Momento emocionante do primeiro dia do Festival de Gramado foi o concerto da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre. O repertório foi eclético. A OSPA tocou de Glenn Miller (Moonlight Serenade) a Villa-Lobos (Prelúdio das Bachianas), passando, claro, por músicas de cinema, como Netto Perde Sua Alma, de W. Moreira, que foi parte da trilha sonora do filme de mesmo nome, de Tabajara Ruas.Milton Gonçalves foi às lágrimas ao falar sobre o troféu Oscarito, a principal homenagem conferida anualmente no Festival de Cinema de Gramado a atores do cinema brasileiro e que este ano será entregue a ele. Em uma longa entrevista coletiva, o ator, que recentemente esteve na tela grande pelas mão de Hector Babenco no mega-sucesso Carandiru, fez revelações sobre este seu último filme. Segundo Milton Gonçalves, havia um outro final planejado para Carandiru. Neste final que não foi às telas, seu personagem, um criminoso veterano que é parte do grupo de detentos que decide sobre os conflitos que ocorrem no presídio, sairia da cadeia. Após a libertação, ele conseguiria soltar um balão, o que na versão que chegou aos cinemas ele tenta, sem sucesso, fazer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.