Prêmio em Cannes impressiona vencedor carioca

Eduardo (Duda) Valente está vivendo o que chama de situação surreal aqui no 55º Festival Internacional do Filme. Seu curta, Um SolAlaranjado, que venceu o festival do Recife nas categorias de melhor filme e direção de 16 milímetros, ganhou o prêmio da Ciné Foundationcomo melhor curta-metragem de Cannes em 2002. Não representa pouca coisa. O prêmio, que vem acompanhado de um valor em dinheiro - ? 15 mil -, dá direito ao vencedor de participar da seleção da Mostra Uncertain Regard com seu primeiro longametragem. Melhor do que tudo isso - e tudo isso é muito bom, assegura o diretor - é o fato de que ele recebeu o prêmio das mãos de ninguém menos do queMartin Scorsese. Duda, formado pela Universidade Federal Fluminense é natural de Niterói, no Estado do Rio. Logo após a premiação, jantou nãoapenas com Scorsese mas com os demais integrantes do júri. Nomes como o do diretor iraniano Abbas Kiarostami e a atriz Gilda Swenton. ?Foi emocionante: de repente eu estava conversando com Kiarostami e ele me trata de igual para igual, comentando esse ou aquele plano do filme, esse ou aquele detalhe de som ou iluminação.?Entre os festivais do Recife e agora de Cannes, Duda rodou outro curta. Chama-se Castanho e se baseia numa história de Mário Prata sobrea ligação de uma mulher com um gorila de pelúcia. ?Não tem nada a ver com Max Mon Amour, do Nagisa Oshima.? Ele acrescenta que a seleção da Ciné Foundation esse ano foi formada por 16 curtas de ótima qualidade, o que torna seu prêmio ainda mais valorizado. Ele diz que a seleção é feita pessoalmente por Laurent Jacob e aponta numa direção: ?curtas com temas essencialmente humanos, que apontam para personagens em situação de desconforto no mundo atual.O Sol Alaranjado chama-se aqui na França Quatre Jours, é a história de uma mulher que trata do pai doente. Quando ela morre, elacontinua executando todos os pequenos gestos que o espectador viu antes. Dá-lhe banho, de comer, atende-o de todas as maneiras. É uma pequena crônica de solidão urbana, feita com delicadeza e talento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.