Vincent Kessler/Reuters
Vincent Kessler/Reuters

Premiamos o filme e não o diretor, diz júri sobre Palma de Ouro

Austríaco Michael Haneke levou a melhor sobre Almodóvar, Tarantino e Lars Von Trier com 'A Fita Branca'

Flávia Guerra, de O Estado de S. Paulo,

24 de maio de 2009 | 18h37

Em um ano em que nomes como Quentin Tarantino , Pedro Almodóvar e Lars Von Trier concorriam a um dos prêmios mais importante do cinema mundial, o diretor austríaco Michael Haneke acabou levando a melhor na 62ª edição do Festival de Cannes. 'A Fita Branca' levou a Palma de Ouro neste domingo, 24.

Veja também:

blog Luiz Carlos Merten comenta a premiação em Cannes

Haneke não é necessariamente estreante na Croisette. Levou melhor direção por Cache (2005). Mas o fato de concorrentes à altura, como a boa revelação Um Profeta, do francês Jacques Audiard, terem levado prêmios secundários deixou a imprensa um tanto quanto dividida. Para completar, a presidente do júri, a atriz Isabelle Huppert, é velha conhecida do diretor e já trabalhou com ele em filmes como 'A Professora de Piano' (filme dirigido por Haneke que lhe garantiu a Palma de Ouro de Melhor Atriz em 2001)".

"Premiamos o filme. E não o diretor. Por acaso eu já trabalhei com ele, mas isso não contou na hora da escolha. O cinema de Haneke tem um forte senso de humanidade. Esta é uma humanidade que toma caminhos estranhos, o que o torna ainda mais interessante. Além disso, ele adotou um tom e um estilo diferente de tudo que já havia feito. É um filme muito filosófico e, ao mesmo tempo, que fala de ética.", esclareceu Huppert em conversa com a imprensa após a cerimônia de entrega da Palma de Ouro, neste domingo, 24.

Muitos dos que questionaram o prêmio a Haneke preferiam ver o francês Jacques Audiard levar a Palma. Diante do fato de que um francês venceu o festival no ano passado (Entre os Muros da Escola), as chances De Audiard eram pequenas. Mas a justiça foi feita. Seu forte e corajoso "Un Prophète" (Um Profeta) levou merecidamente o Grande Prêmio do Júri. Diante de varias questões da imprensa, que sugeriam que Audiard merecia a Palma, o diretor retrucou : " Desde que cheguei, já ouvi quatro perguntas sobre a minha decepção ou não diante do prêmio. Por que não deveria estar feliz? Este não é um premio bom? "

Questionado mesmo foi o premio de Melhor Direção para o filipino Brillante Mendoza. de "Kinatay". Mendoza foi obrigado a responder sobre a divisão da plateia, que chegou a quase vaiar a escolha. " Acho que este é um filme que divide mesmo o publico. Alguns gostam. Outros não, mas eu sempre espero pelo melhor ", brincou o diretor.

Quem veio em seu socorro, durante a conversa da imprensa com o júri, foi o diretor turco Nuri Bilge Ceylan. " Kinatay é um dos filmes mais poderosos e originais deste festival. Mendoza conseguiu criar um estilo que se encaixa perfeitamente ao tema. " Outro membro do júri, o escritor britânico Hanif Kureishi, acrescentou, brincando : "Às vezes, a boa arte pode ser muito dura, mas não quero ver este filme de novo. "

A escolha do melhor roteiro causou surpresa. O controverso Spring Fever, que teve recepção morna durante o festival, acabou levando a melhor. "Este é um roteiro que foi modificado muitas vezes ao longo das próprias filmagens. É também por isso que é um prêmio muito especial. Foi muito difícil fazer este filme. Sofremos muita censura e ficamos cinco anos sem poder filmar. Espero que este prêmio venha ajudar a outros diretores filipinos a filmar mais no nosso país ", comentou o diretor Lou Ye, cujo filme aborda de forma muito clara o tema do homossexualismo.

Ja os melhores ator e atriz eram só sorrisos. Charlotte Gainsbourg agradeceu a ousadia de Lars Von Trier por ter dado o papel em Anticristo. 'Eu o admiro muito. Tudo que ele faz é impressionante. Este filme exigiu muito de mim, mas também me deu muito em troca."

O ator alemão Christoph Waltz, de longe um dos melhores destaques de 'Bastardos Inglórios', de Quentin Tarantino, resumiu: "Quando eu disse que carreira estava quase no fim foi porque faço isso ha 30 anos. No começo, tudo é maravilhoso. Depois vem uma fase 'entremeios', em que não se sabe muito o que vai acontecer. E, por fim, chega uma hora em que a sensação é de que algo esta acabando. Quentin me deu a certeza, me devolveu a sensação de que minha carreira esta apenas começando."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.