Prefeitura negociou investimento com cineastas

A Prefeitura de São Paulo negociou com cineastas o investimento de R$ 2,4 milhões na produção, finalização,roteirização e pós-produção de documentários para TV, curtas elongas-metragens, anunciado esta semana. Segundo o secretário municipal de Cultura, Marco AurélioGarcia, havia desde o começo da sua gestão uma "demanda forte"de cineastas por apoio para a área. "Num primeiro momento, eutive de ser cuidadoso, pois estava herdando um orçamentocomprometido e um conjunto de problemas; não podia vestir umsanto e desvestir outro", afirmou. De acordo com o secretário, sua gestão herdou "ummunicipal em petição de miséria; bibliotecas que não eram coisasdignas desse nome, verdadeiros depósitos de livros; e a ausênciatotal de uma política de teatros", e teve de concentrar-senessas áreas. Em dezembro, finalmente, após reuniões exaustivas ("Eàs vezes, em discussões cabeludas", comenta Garcia) com doisgrupos de cineastas - os diretores da Apaci e os documentaristasda ABD -, mais os vereadores Vicente Cândido, Nabil Bonduki eJosé Eduardo Martins Cardozo, a secretaria recebeu um suplementoorçamentário para fazer o investimento. "Agora é um momento de crise do cinema, com oesgotamento das fontes de recursos, e o setor volta a recorrerao Estado", diz Carlos Alberto Calil, ex-diretor da Embrafilme,da Cinemateca Brasileira e atual diretor do Centro Cultural SãoPaulo, mantido pela Secretaria Municipal de Cultura. Caliltrabalha na organização do que chama de "plano de emergência"para atender essa reinvindicação básica dos cineastas. O investimento liberado, embora pareça irrisório diante deinvestimentos recentes do cinema - só o filme inacabado"Chatô", por exemplo, consumiu até agora R$ 8,6 milhões e foihabilitado a captar mais R$ 3,9 milhões pelo Ministério daCultura - é substancial se comparada a orçamentos da SecretariaMunicipal de Cultura. O Centro Cultural São Paulo, por exemplo,deverá funcionar com R$ 1 milhão este ano. As inscrições estarão sendo feitas no Núcleo de Cinema eVídeo do Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1.000), emSão Paulo, das 10 às 12 horas e das 14 às 18 horas, de segunda asexta-feira. As regras para participar dos concursos deco-patrocínio podem ser obtidas também no local e o prazo paraapresentar os projetos é de 45 dias, contados a partir desábado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.