EDUARDO MUNOZ ALVAREZ | AFP
EDUARDO MUNOZ ALVAREZ | AFP

Policiais de Nova York organizam boicote a filmes de Tarantino

Decisão veio após o premiado diretor protestar contra as mortes de suspeitos desarmados nas mãos da polícia

AFP, O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2015 | 11h14

NOVA YORK - O sindicato de policiais de Nova York pediu um boicote aos filmes de Quentin Tarantino após o premiado diretor protestar contra as mortes de suspeitos desarmados nas mãos da polícia.

"Não é surpresa que alguém que faz filmes glorificando a violência odeie policiais também", afirmou Patrick Lynch, presidente da Patrolmen's Benevolent Association.

"É hora de um boicote aos filmes de Quentin Tarantino", afirmou.

O último filme de Tarantino, Os 8 Odiados - sobre caçadores de recompensas em Wyoming após a Guerra Civil americana - vai estrear nos Estados Unidos no Natal.

A obra segue uma série de sucessos de bilheteria, incluindo Cães de Aluguel e Pulp Fiction, que renderam ao diretor dois Oscars e outros prêmios ao redor do mundo.

"Os policiais que Quentin Tarantino chama de 'assassinos' não fazem parte de nenhum de suas fantasias depravadas - eles estão arriscando e muitas vezes sacrificando as próprias vidas para proteger comunidades de crimes e desordens reais", disse Lynch.

O diretor de 52 anos esteve em uma marcha que uniu centenas de pessoas em Nova York no sábado para protestar contra brutalidade policial.

As mortes de homens negros no correr do ano geraram protestos nacionais contra atitudes injustas da polícia em relação a negros e latinos.

"Nada tem sido feito sobre isso. É esse o motivo de estarmos aqui", afirmou Tarantino à AFP no último sábado.

"Se esses problemas estivessem sendo resolvidos, então os policiais envolvidos já estariam na prisão ou enfrentando processos".

Um balanço de dados do jornal The Guardian afirma que mais de 930 pessoas foram mortas por policiais nos Estados Unidos neste ano até o momento, entre elas 436 brancas, 226 negras e 143 latinas.

As autoridades policiais afirmam que um agente é morto em atividade no país a 60 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.