Polêmico, Rambo turco anti-EUA arrasa na bilheteria

O longa-metragem Kurtlar Vadisi, baseado em uma série de televisão exibida na Turquia, sobre a vingança de um "Rambo" justiceiro contra os Estados Unidos no Iraque, gera protestos entre a classe política na Alemanha, mas faz sucesso entre os jovens germano-turcos.O filme, exibido na Alemanha com o título Tal der Woelfe (Vale dos Lobos), obteve recorde de bilheteria em 66.600 cidades no fim de semana, informaram hoje fontes do setor. Desde a estréia no país, em 9 de fevereiro, o longa já foi assistido por 266.600 espectadores.O público do filme, falado em turco e legendado em alemão, é formado principalmente por jovens de ascendência turca, ansiosos para ver na tela o agente Polat Alemdar, herói da série de TV dirigida por Serdar Akar.Com cenas de extrema violência, a história começa com uma operação de soldados dos EUA que invadem um casamento no qual turcos, curdos e árabes comemoram pacificamente. A ação termina em um banho de sangue no qual o noivo é assassinado com um tiro na cabeça e continua com a humilhante captura de soldados turcos de uma base vizinha. O justiceiro Alemdar, que defende a causa turca, responde à humilhação imposta pelos EUA.No fim de semana, o primeiro-ministro da Baviera, Edmund Stoiber, e outros políticos conservadores alemães exigiram que o filme saísse de cartaz por considerar que acirra os ânimos contra os EUA e o Ocidente.O filme, que custou 8,4 milhões de euros - a produção mais cara da história do cinema da Turquia -, foi um sucesso de público no país e mistura ficção e realidade ao mostrar cenas alusivas aos abusos na prisão iraquiana de Abu Ghraib.Os distribuidores do filme não se pronunciaram e a comunidade germânico-turca se manifestou contra a proibição. "Muitas produções de Hollywood contêm uma clara hostilidade no sentido inverso", lembrou o presidente do Fórum Germano-Turco da União Democrata-Cristã (CDU), Bülent Arslan.O filme foi classificado inicialmente como impróprio para menores de 18 anos. Mas, após uma queixa do distribuidor turco, a restrição foi limitada a menores de 16 anos.

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2006 | 15h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.