Polêmico filme sobre imperador Hirohito estréia no Japão

Após inúmeras polêmicas, chega às salas japonesas "The Sun", o discutido filme do diretor russo Aleksandr Sokurov que mostra como protagonista o ex-imperador Hirohito no papel inédito de um simples ser humano.O filme, apresentado no Festival de Berlim há mais de um ano e meio, já rodou o mundo inteiro tendo sido bem recebido pela crítica especializada, mas ainda não tinha chegado na pátria do protagonista devido à controversa representação do Imperador Hirohito (1901-1989).No filme, o soberano nipônico é apresentado como um "mortal comum", totalmente distante daquele status de divindade que oficialmente caracterizou a figura imperial japonesa desde a antiguidade até 1947, ano no qual a nova Constituição nascida dos destroços da guerra "rebaixou" o soberano de "Deus" para "símbolo" da nação. Na realidade, Hirohito já havia abandonado esta imagem, obrigado pelas circunstâncias, no histórico discurso pronunciado na rádio em 15 de agosto de 1945, quando pediu à população para "suportar o insuportável e tolerar o intolerável", confirmando a rendição do Japão.A figura imperial é um assunto extremamente delicado no país, e especialmente quando se trata de Hirohito, que governou entre 1926 e 1989 um dos reinados mais longos e angustiantes que o Japão recorda. Apesar de ser chamado no país de Showa, ou "paz esplendente", a sua figura é ligada ao desastre da Segunda Guerra Mundial, como imperador que levou o país ao trágico acontecimento bélico e que depois soube aceitar a derrota. Devido a esta situação histórico-cultural, o filme de Sokurov enfrentou notáveis dificuldades no arquipélago, principalmente pelos violentos movimentos de extrema direita, que no passado ameaçaram várias vezes de vingança os cinemas que projetassem este filme. A identidade do ator protagonista, Issei Ogata, foi mantida em segredo até o último momento, pelo temor de atentados.A distribuidora do filme adiou por diversas vezes o lançamento nas salas japonesas, tanto pelas ameaças diretas recebidas por organizações de extrema direita, quanto pela falta de cinemas interessados em adquirir os direitos de projeção, dada a "periculosidade" da obra. Os responsáveis pela "Slow Leaner", que distribui o filme no Japão, afirmaram que estão "confiantes" de que o filme seja bem recebido e que "contribua ao desenvolvimento de uma nova sociedade na qual não seja mais um tabu discutir o imperador Showa". "The Sun" fará sua estréia nas salas japonesas a partir deste sábado, mas por enquanto será projetado apenas em duas salas, nas cidades de Tóquio e Nagoya.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.