Valery Hache/AFP
Valery Hache/AFP

Polêmico e genial, o diretor e ator Roman Polanski comemora 82 anos

São dele clássicos como 'O Bebê de Rosemary', 'Chinatown', e lança em setembro 'A Vênus de Vison'; veja vídeos

Luiz Carlos Merten, O Estado de S Paulo

18 Agosto 2015 | 15h25

Rajmund Roman Liebling – você deve se perguntar quem é esse? Pois foi com o nome de Roman Polanski que ele se tornou conhecido em todo o mundo. De muitas pessoas, você já ouviu, com certeza, que as vidas delas dariam romances. A de Roman Polanski com certeza dá.

Garoto, ele sobreviveu aos campos de extermínio do nazismo. Tornou-se ator e diretor na Polônia, mas nasceu na França, em Paris, em 18 de agosto de 1933, o que significa que está completando 82 anos.

Cooptado por Hollywood, foi fazer filmes nos EUA. Mas filmou também na Inglaterra, na Itália e França. Casou-se com uma jovem estrela promissora, mas ela foi brutalmente assassinada pelos integrantes de uma seita satânica, com o filho dele no ventre, em 1969.

Nosso homem se envolveu num caso de abuso de menor em 1977, fugiu para a Europa e, durante décadas, evitou o processo, até ser preso em  26 de setembro de 2009, em Zurique, na Suíça, a pedido da Justiça norte-americana. Mesmo confinado em casa, não deixou de dirigir.

A obra de Polanski não é apenas cosmopolita. Coerente com a vida dele, desenvolve-se sob o signo da tragédia. E Polanski gosta de subverter os códigos de gêneros. Fez de tudo – comédia, drama, filme de vampiro, suspense, guerra, terror. Polanski, na verdade, talvez só nos deva western e musical, mas esse último ele fez no teatro, montando a versão francesa de Dança dos Vampiros

Sua obra eclética é marcada por grandes filmes – A Faca na Água, Repulsa ao Sexo, O Bebê de Rosemary, Chinatown, O Inquilino, Tess, O Pianista. Mas existem também os que dividem os críticos – Armadilha do Destino, A Dança dos Vampiros, Quê?, Piratas, Busca Frenética, Lua de Fel, A Morte e a Donzela, o próprio O Escritor Fantasma. Seu novo filme, que estreia em setembro, é dos melhores – A Vênus de Vison.

Polanski ganhou prêmios importantes. Palma de Ouro, Oscar e César (o Oscar francês) por O Pianista, César de filme e direção por Tess, Urso de Ouro por Armadilha do Destino, de Prata por O Escritor Fantasma, prêmio da crítica em Berlim por Repulsa ao Sexo e em Veneza por A Faca na Água.

Pouca gente vai contestar que suas obras-primas são grandes filmes de gênero – O Bebê de Rosemary e Chinatown. No noir com Jack Nicholson e Faye Dunaway, ele se reservou um papel genial, fazendo o gângster pequeno e com cara de fuinha que ataca JJ Gittes, o protagonista, e corta o nariz dele com um canivete. 

Desde 1989, Polanski está casado com Emmanuelle Seigner, e ela nunca foi tão boa como a Vênus de vison no filme dele. E cabe destacar que, em 2013, ao lançar seu livro de memórias, The Girl – A Life in the Shadow of Roman Polanski, Samantha Geimer, a garota que ele molestou, não apenas o perdoou como disse que gostaria que todo o episódio fosse esquecido, para que ela pudesse sair da sombra de Polanski e viver a própria vida. 

 

Mais conteúdo sobre:
cinemaRoman Polanski

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.