Efe
Efe

Polanski recorre contra detenção e ganha apoio de cineastas

Tribunal deve tomar decisão nas próximas semanas; Woody Allen e Martin Scorsese assinam petição pela soltura

Efe,

29 de setembro de 2009 | 09h19

O cineasta franco-polonês Roman Polanski, detido em Zurique, na Suíça, recorreu nesta terça-feira, 29, contra sua prisão, ordenada pelo Ministério da Justiça suíço com o objetivo de extraditá-lo para os Estados Unidos. O Tribunal Penal de Bellinzone deve emitir uma decisão nas próximas semanas.

 

Veja também:

blog Blog do Marcelo Rubens Paiva: Leia trechos do depoimento da menina estuprada

link Movimento 'Libertem Polanski' reúne intelectuais na Europa

link Cineasta se recusa a ser extraditado para os EUA

link Polanski está disposto a lutar pela liberdade, diz advogado

 

Polanski foi detido ao chegar a Zurique, onde receberia um prêmio do Festival de Cinema da cidade, com base em um julgamento realizado nos Estados Unidos que o condenou por fazer sexo com uma menor em 1977.

 

O advogado francês do diretor, Hervé Temime, havia dito na segunda-feira, 28, que pediria o relaxamento da prisão de Polanski, ainda que mediante o pagamento de fiança ou outras condições.

 

Apoio de Woody Allen e Martin Scorsese

 

Os cineastas americanos Woody Allen, David Lynch e Martin Scorsese e o espanhol Pedro Almodóvar assinaram uma petição pela libertação de Polanski, anunciou a Sociedade de Autores e Compositores Dramáticos nesta terça-feira, segundo a agência AFP.

 

"Pedimos a libertação imediata de Roman Polanski", afirmaram os signatários. Também figuram na petição o cineasta americano Michael Mann e o alemão Win Wenders.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.