"Pokémon 3" percorre trilha do sucesso

Você pode ser duro com o terceiro filme da série Pokémon. O desenho é feio, as cores são berrantes e o uso do computador poderia dar ao filme que estréia amanhã um sentido da perspectiva que ele não possui, com aquelas imagens chapadas que datam dos primórdios da animação. Sim, você pode pensar e até dizer tudo isso, mas talvez seja mais interessante tentar descobrir o porquê do sucesso dessa série. Pois é óbvio que Pokémon possui um encanto todo especial para as platéias de baixinhos.Não é programa para levar os pais. Eles vão preferir a sofisticação do roteiro de Shrek, talvez experimentem alguma nostalgia de velhas aventuras diante de Atlantis, o Reino Perdido, mesmo que o novo desenho da Disney só deva agradar aos bem colonizados pela empresa de Mickey. Mas a criançada muito provavelmente vai se animar com as novas aventuras de Pikachu e sua turma.Pikachu é a alma desse desenho desde que Pokémon tomou de assalto a TV japonesa, foi exportado para os EUA e de lá chegou ao Brasil. Da telinha, saltou para a telona, em desenhos feitos no Japão e remontados pelos americanos. O primeiro foi um estouro, o segundo, um pouco menos, mas o suficiente para alentar os produtores a fazerem Pokémon 3.De novo, os garotos treinam os pokémons e só eles podem salvar o mundo. Há uma menininha que quer ser treinadora na história e nela são embutidos conceitos de paternidade e camaradagem. Tudo meio tosco, mas esse é um filme que tenta falar a língua das crianças, ignorando os adultos. Com a palavra portanto, seu filho(a). É para ele(a) que se dirige Pokémon 3.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.