Plataforma 'WaterBear' aposta em produções sobre meio-ambiente

Plataforma 'WaterBear' aposta em produções sobre meio-ambiente

Streaming gratuito chegou ao Brasil no começo de dezembro com filmes e documentários que abordam sustentabilidade

Matheus Mans, Especial para o Estadão

30 de dezembro de 2021 | 15h00

Foi durante a produção do documentário Professor Polvo, vencedor do Oscar e do BAFTA em 2021, que a produtora executiva Ellen Windemuth percebeu que as pessoas estão, cada vez mais, em busca de uma conexão significativa com lugares selvagens e os animais que vivem neles. É a chamada “ecologia emocional”. Inspirada, foi neste momento que ela pensou pela primeira vez em criar a WaterBear, streaming gratuito voltado para a ecologia.

Agora, desde a criação do serviço no ano passado, a plataforma já produziu mais de 30 filmes originais e exclusivos e realizou a curadoria de mais de mil documentários premiados, disponíveis em 194 países – no Brasil, enquanto isso, a WaterBear desembarcou oficialmente no começo de dezembro. São filmes e séries que falam sobre sustentabilidade, biodiversidade, ação climática e, até mesmo, moda sustentável, de olho na conscientização.

“Sempre fui apaixonado por capacitar as pessoas a reparar sua relação com a natureza e se tornar parte da solução para os problemas ambientais”, conta Ellen Windemuth em entrevista ao Estadão. “WaterBear é uma plataforma de streaming gratuita dedicada ao futuro do nosso planeta. Os membros do WaterBear podem assistir a documentários a qualquer momento e em qualquer dispositivo, bem como realizar ações instantâneas diretas para apoiar ONGs em todo o mundo e moldar um futuro melhor para nosso frágil planeta”.

No catálogo, produções como #ForNature, com Greta Thunberg; Earthrise, que fala sobre as primeiras imagens feitas da Terra em 1968; GROW, que ressalta a beleza da agricultura sustentável; e ainda o potente The Burden of Inheritance, sobre pessoas vivendo à margem na Índia. “Contar histórias por meio de filmes pode ser uma ferramenta poderosa para aumentar a conscientização sobre as questões que colocam nosso planeta em risco”, diz. “Tem um efeito fundamental em envolver pessoas, especialmente a geração mais jovem”.

CHEGADA AO BRASIL

A chegada oficial da WaterBear ao Brasil aconteceu com o lançamento de Tree of Plenty, curta-metragem original e exclusivo que destaca o papel da Amazônia no enfrentamento às mudanças climáticas e na conservação da biodiversidade global. Como parceira da WaterBear, surgiu a figura da Natura &Co, empresa interessada em destacar sua atuação de preservação nas comunidades amazônicas fazendo parte da indústria cosmética.

“A parceria com a WaterBear contribui para ampliar a conscientização e inspirar as pessoas”, contextualiza Marcelo Behar, vice-presidente de Sustentabilidade e Assuntos Corporativos da Natura &Co. Não é simples explicar em cinco minutos conceitos complexos como circularidade, regeneração e mudanças climáticas, os brilhantes documentaristas conectados à plataforma fazem isso muito bem com as cores e perspectivas de diferentes cantos do mundo. Permitem esclarecimento com diversão. Estamos precisando disso. A pauta de transformação sócio-ambiental com a beleza e leveza que deve ter”.

Por enquanto, a maior parte do conteúdo da plataforma não conta com legenda, disponível apenas em inglês – em português, além de Tree of Plenty, ainda estão disponíveis os documentários Protecting Nature for Good e Pascoal, além dos documentários em inglês mais populares do ano passado, como The Breakdown, Mother of the Sea e The True Cost. No entanto, Ellen Windemuth conta que legendas em mais conteúdos estão nos planos.

“Estamos entusiasmados em expandir para o Brasil como parte de nosso lançamento global, trazendo nossa amplitude de conteúdo a um público ainda maior, apoiando ainda mais nossa missão de gerar impacto global por meio da narrativa”, diz a produtora, questionada sobre os próximos momentos. “Esperamos adquirir documentários de maior impacto e produzir e lançar mais WaterBear Originals sobre o nosso mundo”.

Tudo o que sabemos sobre:
ecologiastreaming

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.