Planos de saúde são o próximo alvo de Michael Moore

Depois de examinar os laços entre o presidente americano George W. Bush e o terrorista saudita Osama bin Laden, Michael Moore põe na mira de sua câmera os planos de saúde. O diretor e polemista, que disputa a Palma de Ouro do Festival de Cannes com Fahrenheit 9/11, diz que a idéia de seu novo filme, Sicko, nasceu de um programa de televisão, o The Awful Truth, que mostrou o drama de um paciente à espera de um transplante duplo de rim e pâncreas. A empresa seguradora havia aprovado o de rim, mas se negava a assumir o custo do segundo transplante. Moore e equipe, munidos de equipamentos de filmagem, não demoraram em armar um ato simbólico em frente à companhia HMO, que, em três dias, segundo o diretor de Tiros em Columbine, decidiu arcar com o duplo transplante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.