Divulgação
Divulgação

'Philomena' verdadeira pede mudança em leis de adoção da Irlanda

Ela lançou campanha em favor do acesso aos registros de adoções no país

Padraic Hall, Reuters

24 Janeiro 2014 | 20h09

A mulher irlandesa de 80 anos que inspirou o filme Philomena, indicado para o Oscar, lançou nesta sexta-feira uma campanha em favor do acesso aos registros de adoções na Irlanda, na esperança de que sua história revele a situação de dezenas de milhares de pessoas.

O filme sobre a busca de 50 anos de Philomena Lee pelo filho que foi forçada a entregar para adoção quando era adolescente ganhou a admiração de fãs de cinema em todo o mundo e foi indicado na semana passada para disputar o Oscar em quatro categorias, incluindo a de atriz, para Judi Dench, que interpreta Philomena.

Ao lançar o "Projeto Philomena", ela pediu ao governo da Irlanda que adote uma lei para divulgação de mais de 60.000 arquivos retidos pelo Estado, agências privadas de adoção e a Igreja Católica, os quais são a única fonte para muitas pessoas adotadas saberem sua origem.

Como muitas mulheres solteiras na Irlanda nos anos 1950, Philomena foi forçada a trabalhar na lavanderia de um convento enquanto seu filho foi entregue para adoção. Ela disse que o acesso aos registros teria propiciado um resultado diferente para sua história.

"Teria significado muita coisa para mim. Eu o teria encontrado. Ele morreu pensando que eu o abandonei e nunca ficou sabendo que eu estive verdadeiramente procurando por ele enquanto ele me procurava", afirmou Philomena, que não conseguiu localizar o filho antes de ele morrer.

"Acho que muitas pessoas da minha idade relutam muito em se apresentar. Eu as aconselharia sinceramente a vir contar suas histórias porque muitos de seus bebês estão procurando por elas e eles (o governo) não lhes revelarão sua origem."

Um estudo divulgado no ano passado sobre a notória Magdalene Laundries, onde mulheres e meninas eram submetidas a um regime intransigente de dura disciplina e trabalho não remunerado jogou luz sobre um capítulo sombrio do passado da Irlanda, que o primeiro-ministro Enda Kenny descreveu como "uma vergonha nacional".

As conclusões do relatório se seguiram a investigações sobre abuso sexual por parte de padres e o encobertamento com o apoio do Estado que abalaram a autoridade da Igreja na Irlanda e afetaram a reputação da Igreja Católica no mundo todo.

O governo diz que está preparando uma lei para tratar do rastreamento de informações sobre adoção. Mas a Aliança dos Direitos de Adoção acusou ministros de simplesmente fazer demagogia, já que uma decisão da Suprema Corte em 1998 ainda iria impedir às pessoas adotadas o direito de saber sua origem.

A Aliança dos Direitos de Adoção, que vai trabalhar com o Projeto Philomena, disse que mudanças suficientes deixariam a Irlanda em compasso com a província britânica da Irlanda do Norte, que está sob a lei britânica, onde as pessoas adotadas têm acesso aos arquivos sobre sua história.

"É um imperativo moral do governo agir, e agir logo, antes que muitas mães morram. Ao tentar proteger os direitos dessas mães, eles estão na realidade ignorando totalmente os direitos humanos das pessoas adotadas", disse a cofundadora do grupo Susan Lohan.

Mais conteúdo sobre:
Prêmio Oscar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.