Petrobras anuncia programa de apoio ao cinema

Será anunciado segunda-feira, no Rio de Janeiro, oPrograma Petrobras de Cinema, uma das mais amplas ações no setor audiovisual já realizadas no País. A iniciativa vai beneficiar e estimular a produção, exibição e distribuição do curta-metragem nacional, segmento mantido à margem do crescimento da produção brasileira nos últimos anos. A criação do Programa de Cinema é o segundo passo da ampla reformulação das diretrizes de investimento em cultura da Petrobras. A partir de agora, a idéia é concentrar recursos em áreas específicas, em vez de pulverizar indistintamente os patrocínios. O orçamento do Programa de Cinema ainda não foi totalmente definido, segundo o gerente de Patrocínios da Petrobras, Sérgio Bandeira de Mello. "O investimento depende do lucro da empresa, que deve ser bom este ano com o aumento do preço do petróleo", diz o gerente. Por isso, estima-se que o programa consuma também cerca de R$ 4 milhões, mesmo valor destinado ao Programa de Artes Visuais. Elaborado pelo diretor da distribuidora carioca Riofilme José Carlos Avellar, e por Adhemar de Oliveira, do Espaço Unibanco de Cinema, o programa da Petrobras vai investir também em novas tecnologias, com exibição de filmes na Internet, distribuição em DVD. Na área de produção, serão estimuladas a realização de obras inéditas em 35 mm, com no máximo 15 minutos de duração, destinadas à exibição em salas de cinema, e filmes digitais, de até 5 minutos, a serem veiculados pela Internet. O programa apoiará também a exibição de curtas em salas de cinema - complementando a projeção de longas -, em emissoras de TV aberta e a cabo, além de estimular mostras realizadas em salas comerciais, instituições culturais ou universidades, com debates do público após as projeções. A iniciativa da Petrobras vai estimular também a criação de festivais de curtas e a criação de programas de filmes do gênero em festivais de longas. Em São Paulo, a empresa vai patrocinar também o projeto Curtas às Seis, realizado no Espaço Unibanco com grande sucesso nos últimos anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.