Reprodução
Reprodução

Personagem de Baron Cohen reclama de ser banido do Oscar

Organizadores da cerimônia proibiram ditador fictício de aparecer no tapete vermelho da premiação

Reuters,

24 de fevereiro de 2012 | 20h56

LOS ANGELES - O comediante Sacha Baron Cohen encarnou na sexta-feira o seu personagem Almirante Aladim para manifestar sua indignação com os organizadores do Oscar, que proibiram que esse ditador fictício apareça no tapete vermelho da cerimônia, no domingo.

Cohen, que é judeu, chamou de "sionistas" os organizadores da cerimônia por causa da decisão. O veto vale só para o personagem, não para o seu intérprete.

Num vídeo divulgado pela internet, o condecoradíssimo almirante aparece sentado em uma cadeira dourada, cercado por guardas e por retratos dele mesmo.

"Embora eu aplauda a Academia (de Artes e Ciências Cinematográficas) por retirar meu direito à livre expressão, alerto a vocês que, se não suspenderem suas sanções e devolverem meus ingressos até as 12h de domingo, vocês enfrentarão consequências inimagináveis", berra o almirante, brandindo um dedo para a câmera.

O Ditador, novo filme de Baron Cohen (de Borat) sobre o sanguinário governante de um país fictício do Oriente Médio, será lançado em maio. Nesta semana, a imprensa noticiou que Cohen pretendia ir ao Oscar vestido de Aladim, mas foi proibido.

Um porta-voz da Academia disse à publicação Hollyood Reporter que essa decisão foi tomada porque os organizadores consideraram inadequada essa ação de divulgação do filme.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.