Divulgação
Divulgação

Perón e Evita: O amor precede a história

Longa explora o lado humano do histórico casal da política argentina

Ariel Palacios , O Estado de S. Paulo

10 de novembro de 2013 | 20h20

Juan Domingo Perón, três vezes presidente da Argentina e fundador do movimento político que pretendeu conciliar os trabalhadores e o capital, e Eva Duarte de Perón – mais conhecida como “Evita” – formam a dupla política mais famosa da história da Argentina e de toda a América Latina. Nunca antes – nem depois – na região apareceu um dueto que conseguiu, com tal sinergia, mobilizar milhões de pessoas, além de continuar como ícones políticos décadas após ambas as mortes. Polêmico, chamado de “fascista” por uns e de “esquerdista” por outros, o casal Perón sempre rendeu filmes de temática política.

Em cartaz nos cinemas, um longa agora retrata a poderosa dupla em seu lado amoroso. O filme, Juan e Evita – Uma História de Amor, da diretora Paula de Luque, começa com os primeiros encontros entre Perón e Evita, muito antes de a política tornar-se um fator crucial em suas vidas. “Esta é uma história de amor”, explicou De Luque ao Estado. “É um grande romance de duas pessoas que depois transcende as quatro paredes de sua casa e derrama-se sobre o povo, tornando-se parte do universo público”, sustenta.

O filme protagonizado por Julieta Díaz (Evita) e Osmar Núñez (Perón) narra o romance entre os dois, o crescimento acelerado do então coronel do Exército e secretário do Trabalho como figura pública, até o 17 de outubro, a data peronista por excelência, na qual milhares de pessoas exigem a liberação. Segundo De Luque, trata-se da história de Perón e Evita antes do surgimento do Peronismo e do AntiPeronismo.

“Em meu filme, a política está nas ‘beiradas’. Quando Perón e Evita se conheceram, não existia um futuro político ainda. E Eva não era essa loira magra (o filme mostra quando Evita começa a tingir seus cabelos da forma platinada com a qual ficaria famosa). Era uma garota tímida, de 26 anos, apaixonada por Perón. Era uma atriz no comecinho de sua carreira”, afirma a diretora.

“Outros filmes mostram cada um dos dois integrantes do casal como clichês. Meu filme não faz isso. Eu mostro Perón como alguém em construção, que ainda não é ‘O Perón’. Idem com Eva. É uma construção dos dois personagens ao longo do filme. O espectador sabe como a história de ambos terminou, anos depois. Os personagens não o sabem.”

A diretora também exibe um Perón e uma Evita humanos, antes de serem mitos. “Perón era mulherengo, e mostro isso. E Evita era muito ciumenta com ele. Não eram ‘deuses’. Eram seres humanos. No entanto, foram seres humanos que transcenderam. O interessante é mostrar as misérias e as nobrezas,e ainda conseguir empatia com o espectador.”

O longa – com sutileza e discrição – também mostra cenas de sexo entre Perón e Evita, novidade na cinematografia mundial, que sempre exibia o poderoso dueto como duas pessoas assexuadas que apenas pensavam em política. “Com muitas nuances, coloquei essas cenas, já que eles eram humanos”, indica a diretora.

“O filme está ancorado em dados reais. Mas a parte da relação íntima, sentimental do casal, é uma invenção minha, baseada no que sabemos sobre os dois.”

No entanto, De Luque descarta uma segunda parte de Juan e Evita. “O que eu queria contar era o romance, a parte anterior, antes de eles se transformarem nessas figuras políticas públicas”, diz.

“Evidentemente, a vida de Evita acaba de começar.” Com essas palavras, a escritora mexicana Alma Guillermoprieto definiu no final dos anos 90 o revival de “Evita”, também designada de “porta-estandarte dos humildes”, “Mãe dos Pobres” e “Protetora dos trabalhadores” Morta em 1952 por um devastador câncer, transformou-se em um mito político que foi usado pela direita e a esquerda peronista.

Nos 90, a realização do filme Evita, de Alan Parker, protagonizado pela cantora Madonna – baseado no musical da Broadway – gerou um boom “evitista” em todo o planeta. Mas a chegada da presidente Cristina Kirchner ao poder, em 2007, propiciou um novo boom, desta vez na Argentina. Evita consolidou-se como ícone pop ao decorar com sua efígie canecas de café, chaveiros, camisetas, pôsteres, adesivos e bonecas de pano.

“Mãe espiritual da pátria” – tal como foi chamada oficialmente pelo governo de Perón nos anos após sua morte – transformou-se em desenho animado com o lançamento Eva da Argentina em 2011. Evita também protagoniza um videogame ao lado do marido, no qual combatem e aniquilam “oligarcas”.

De quebra, Evita – que era abstêmia – virou marca de cerveja. Uma cerveja loira, seguindo o estilo da platinada tingida que foi a primeira-dama mais famosa da Argentina. Os argentinos podem adquirir esses produtos usando notas de 100 pesos com a efígie de Eva Perón, lançadas no ano passado pela presidente Cristina, declarada fã de Evita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.