Mario Scandurra/Efe e AP
Mario Scandurra/Efe e AP

Penélope Cruz reina na noite dos Goya com Javier Bardem

Atores entregaram prêmios; foi a primeira vez, em um ato público, que o casal foi visto na Espanha

Efe e AP,

14 Fevereiro 2010 | 22h56

Penélope Cruz não ganhou o Goya de melhor atriz ao que concorria, mas foi a rainha da 24.ª edição dos prêmios do cinema espanhol com um modelo branco de Gianni Versace "vintage" e, sobretudo, porque, por fim, apareceu em um ato público e oficial na Espanha com seu namorado, o ator Javier Bardem. O prêmio Goya é uma espécie de Oscar do cinema espanhol.

Sucesso de público na Espanha, o drama carcerário Celda 211, de Daniel Monzón, foi o grande vencedor noite. Venceu em oito das 16 categorias nas quais concorria, incluindo melhor filme, melhor diretor e melhor ator.

 

Baseado no romance homônimo de Francisco Pérez Gandul, Celda 211 conta a história de um funcionário da prisão (Alberto Ammánn, vencedor na categoria ator revelação) que tem de lidar com um motim. Preso na área tomada pelos detentos mais perigosos, é obrigado a se passar por um deles para tentar escapar. Luis Tosar, no papel de um líder dos amotinados, ficou com o Goya de melhor ator.

 

O segundo filme mais premiado da noite foi Agora, de Alejandro Amenábar, que ganhou sete das 13 categorias nas quais concorria - quase todas técnicas, como melhores efeitos especiais e melhor figurino. Rodado em inglês, o longa sobre o declínio do Império Romano levou ainda o Goya de roteiro original.

 

A coprodução hispano-argentina El Secreto de Sus Ojos, que concorria em oito categorias, ficou com dois prêmios, melhor filme hispano-americano e atriz revelação (Soledad Villami). Penélope Cruz, que concorria como melhor atriz por Os Abraços Partidos, de Pedro Almodóvar, perdeu para Lola Dueñas, protagonista de Yo, También.

 

Mais Penélope

 

Apenas 15 minutos antes do começo da festa, chegou ela, a mais esperada, Penélope Cruz, e não decepcionou porque o modelo era antológico, nada menos que um Gianni Versace "vintage", dos que o falecido modista italiano fez há anos.

 

Com o cabelo solto, um pouco mais loura que estava nos últimos meses, a atriz que reluzia enormes brincos de diamantes de Chopard, passeou com o modelo, em branco, com as costuras cobertas de cristais e um decote de honra em forma de pétala. Os sapatos de plataforma, tinham saltos vertiginosos.

 

Posou diante das câmeras; respondeu a alguma pergunta dos jornalistas sobre suas expectativas sobre os Goya e os Oscar - "nenhuma" - e saiu em disparada pelo auditório, onde, os espectadores puderem ver, pela primeira vez em um ato público na Espanha, Bardem e ela juntos.

 

Penélope Cruz e Javier Bardem entregaram prêmios. Ela a Raúl Arévalo, melhor ator coadjuvante, e ele a Luis Tosar, o melhor ator.

 

O estilista da cerimônia, Vicente Ruiz, estava empenhado em que os candidatos, atores e apresentadores vestissem "glamour".

Embora tenha sido a cor verde exigida pelo patrocinador, se viu, e muito, a cor negra, a mais "anti TV".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.