Ricardo Toscani - 30/11/2017
Ricardo Toscani - 30/11/2017

Pedro Bial faz duras críticas a 'Democracia em Vertigem', de Petra Costa

Jornalista e apresentador de TV classificou o filme, indicado ao Oscar 2020, como 'mentira'; assunto se tornou um dos mais comentados do Twitter

Redação, O Estado de S. Paulo

03 de fevereiro de 2020 | 18h59
Atualizado 13 de fevereiro de 2020 | 14h11

O jornalista e apresentador Pedro Bial criticou duramente o filme Democracia em Vertigem, de Petra Costa, indicado ao Oscar 2020 na categoria melhor documentário, em uma entrevista a Rádio Gaúcha. Para Bial, o filme é uma "ficção alucinante".

"Eu dei muita risada", disse o apresentador, sobre o filme, segundo o site da Rádio. "É um 'non sequitur' (encadamento ilógico de ideias) atrás do outro. Tira conclusão de que algo leva a outro sem a menor relação causal. O filme vai contando as coisas num pé com bunda danado." Ele também criticou o tom de voz da diretora. "Uma narração miada, insuportável, ela (Petra) fica chorando o filme inteiro."

Para o jornalista, o filme é mentiroso. Ele também arriscou uma interpretação psicanalítica.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
É um filme de uma menina dizendo para mamãe dela que fez tudo direitinho, que ela está ali cumprindo as ordens e a inspiração de mamãe, somos da esquerda, somos bons, não fizemos nada, não temos que fazer autocrítica. Foram os maus do mercado, essa gente feia, homens brancos que nos machucaram e nos tiraram do poder, porque o PT sempre foi maravilhoso e Lula é incrível.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Pedro Bial

Ativa no Twitter, onde o assunto é um dos mais comentados do dia, Petra ainda não se manifestou sobre o assunto.

'Democracia em Vertigem' faz campanha pelo Oscar 2020

Na reta final da disputa pelo Oscar de melhor documentário, a cineasta brasileira disse ao Estado estar se sentindo realizada – ainda que seu longa não encabece a bolsa de apostas (posição ocupada por Indústria Americana, produção do casal Obama. 

“Conversei com muita gente desde que cheguei aos Estados Unidos”, disse ela ao Estado, desde Nova York. “O filme foi visto por várias pessoas e especialmente os americanos comentaram que passaram a entender melhor seu próprio país a partir do meu documentário.” No momento, além da campanha pelo Oscar, ela trabalha em outro documentário e em seu primeiro filme de ficção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.