"Pearl Harbor" promete resistir aos críticos

Estréia hoje nos Estados Unidos a superprodução de Michael Bay Pearl Harbor, com a história de um triângulo amoroso formado por Ben Affleck, Josh Hartnett e Kate Beckinsale que se passa na base americana no Havaí atacada pelos japoneses durante a Segunda Guerra Mundial. Uma faraônica campanha publicitária, que incluiu um evento de gala de US$ 5 milhões a bordo de um porta aviões em Pearl Harbor, promete espantar as péssimas críticas que vêm recebendo e levar hordas de adolescentes aos cinemas nos próximos três dias, aproveitando ainda o Memorial Day, feriado americano em homenagem aos veteranos de guerra. Comparações a Titanic, por conta do triângulo amoroso e pelo clima de catástrofe servindo de cenário para a história romântica, devem garantir ao filme pelo menos uma estréia memorável, e a expectativa dos estúdios Disney é de que bata os recordes de bilheteria de O Mundo Perdido e até Titanic. De acordo com analistas da indústria, Pearl Harbor tem tudo para ser o recordista do Memorial Day, ultrapassando os US$ 90,2 milhões arrecadados por O Mundo Perdido em 1997. A produção de US$ 140 milhões estréia em mais de 3 mil salas de cinema e se beneficia do fato de que os ingressos estão, em média, 12% mais caros do que quatro anos atrás. Os outros estúdios também decidiram evitar a concorrência não marcando estréias importantes para o mesmo fim de semana.Mas, de acordo com os críticos, Pearl Harbor está longe de ser Titanic - ou O Resgate do Soldado Ryan. As principais reclamações estão na atuação do elenco, principalmente de Beckinsale (que apareceu em The Last Days of Disco). O filme também não conta com cenas de nudez, como a de Kate Winslet no filme de James Cameron, e as primeiras bombas só caem depois de uma hora e quarenta de história. A duração total da produção, de três horas, também pode ser vista como um problema.Segundo o temido crítico Harry Knowles, do site Ain´t It Cool News, Pearl Harbor é "até um bom filme - em se tratando de Michael Bay". Ele considera que o trabalho do diretor de Armageddon tem "o pior final para um filme razoável em toda a história". Um outro crítico, da Associated Press, observa que a produção é uma "videocolagem dos mais óbvios clichês já vistos no cinema". Segundo a imprensa americana, uma cena em que Beckinsale fala de seu romance com Hartnett para Affleck causou gargalhadas e uma "diáspora" do público na seção de gala no Havaí.É bem possível que nada disso atrapalhe o desempenho do filme nas bilheterias. Pearl Harbor já é tão grande que impulsiona até atividades paralelas: a fábrica de brinquedos Hasbro resolveu lançar uma edição especial do famoso boneco G.I. Joe em comemoração ao ataque de Pearl Harbor. O filme não tem conexão oficial com o lançamento, mas deve ser uma das maiores alavancas de vendas do brinquedo, que foi lançado em 1964, chegou ao Brasil com o nome de Falcon, e já teve 375 milhões de unidades vendidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.