Rich Fury/ AFP
Rich Fury/ AFP

Patrick Stewart volta ao comando estelar em ‘Star Trek: Picard’

Ator inglês que faz 80 anos em julho, estreia no dia 23 o novo capítulo da franquia com seu personagem mudado

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2020 | 09h00

Ele prometeu nunca mais voltar, mas Patrick Stewart mudou de ideia e novamente vai viver aventuras no espaço como o capitão Jean-Luc Picard em uma nova série da franquia Star Trek, que será lançada na próxima semana. Após se despedir do personagem que deu a ele fama internacional, o ator inglês shakespeariano, que faz 80 anos em julho, ficou tentado a voltar ao universo trekker por causa de nova visão de Picard.



“Faz 17 anos desde que eu disse 'au revoir' a Jean-Luc”, declarou Stewart à AFP durante uma visita a Paris, e um quarto de século desde o encerramento de Star Trek - A Nova Geração, o primeiro spin-off de Star Trek, a série de ficção científica surgida nos 1960. “Era minha intenção absoluta não apenas nunca voltar a esse mundo, mas assumir que tudo o que podia ser dito havia sido dito - que não havia mais nada a dizer.”

Isso até Stewart começar a conversar com Alex Kurtzman, o criador de Star Trek: Picard, e o roteirista Michael Chabon, que traz prestígio ao projeto como romancista premiado com o Pulitzer, mas também como fã de longa data de Star Trek. “Eles tinham novas ideias e estávamos em um mundo diferente do criado pela Nova Geração”, afirmou Stewart, que nos últimos anos emprestou seu talento a outro personagem emblemático, o professor Xavier de X-Men. “Parece um novo começo, porque Picard está em uma situação diferente dos 178 episódios e 4 filmes anteriores.”

O agora almirante reformado, que sempre exibiu fleuma e autoridade, sofrerá uma transformação na nova série, que estreia dia 23 na CBS e na Amazon Prime. O velho Picard perdeu o rumo, abalado pela morte do androide Data, que era um amigo para seus colegas da Frota Estelar. “O mundo ao redor dele é transformado e não é mais o mesmo mundo que ele conhecia”, afirmou Stewart, que apareceu pela última vez a bordo da nave Enterprise no filme de 2002, Nêmesis.

Picard volta à ação para ajudar Dahj, jovem angustiada. Além disso, a nova série também mostra Picard voltando às raízes gaulesas, enquanto a civilização francesa parece estar à beira da extinção. Com algumas cenas gravadas em um vinhedo, Picard fala em sua língua nativa. “Tentamos criar um cenário o mais francês possível”, lembrou Stewart.


 


Na nova série, Picard conta com a ajuda de Raffi Musiker, uma hacker investigadora com talentos inigualáveis interpretada por Michelle Hurd, que é atormentada por seus demônios e pelas relações complicadas com o capitão no passado. “Ela representa muitas pessoas, mulheres feridas e assombradas pelas escolhas e decisões que tomaram na vida”, ressaltou Hurd.

“Ela está apenas tentando acordar de manhã e enfrentar o dia. Ela é muito, muito boa no trabalho dela. Às vezes acho que talvez essa habilidade seja a coisa que a distrai do que a assombra”, explicou.

A outra personagem feminina importante da série é Dahj, interpretada pela atriz britânica Isa Briones. “Dahj meio que coloca tudo em movimento, fazendo Picard se aventurar em uma nova missão”, contou ela.

Embora não fosse uma grande fã da série original, Isa diz que sempre admirou os valores, como direitos humanos e diversidade, que a criação de Gene Roddenberry promovia muito à frente de seu tempo.

“Gosto de dizer que é uma bela responsabilidade que temos em mãos. As pessoas se preocupam muito com esse programa. Isso as ajudou a encontrar as pessoas certas, que falam o mesmo idioma que os fãs”, comentou também.

Como costuma acontecer com a ficção científica, Briones garantiu que “as histórias refletem os eventos atuais”. “Vamos contar histórias que são pertinentes para este momento. Não estamos dando lições, mas trazendo luz aos dilemas humanos”, acrescentou.  /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.