Annegret Hilse/ Reuters
Annegret Hilse/ Reuters

Passado nazista de Alfred Bauer força Festival de Berlim a suspender prêmio com seu nome

Segundo revista alemã, diretor Alfred Bauer controlava e supervisionava o uso de atores, diretores e câmeras pelo governo nazista para produzir filmes exibidos durante o Terceiro Reich de Hitler.

Redação, EFE

30 de janeiro de 2020 | 12h36

O Festival de Berlim anunciou nesta quarta-feira, 29, que suspenderá o Prêmio Alfred Bauer, que reconhece filmes que trazem novas perspectivas ao cinema, depois de a imprensa da Alemanha publicar suspeitas sobre o passado nazista do ex-diretor que batiza a estatueta.

Em comunicado, a organização do evento explicou que um artigo da revista semanal Die Ziet publicado nesta quinta, 30, traz revelações sobre o papel de Alfred Bauer, primeiro diretor do Festival Internacional de Cinema de Berlim (1951-1976), na política para o setor no governo nazista de Adolf Hitler.

"A interpretação desse artigo sugere que ele havia ocupado cargos importantes durante a era nazista. Em vista desses novos fatos, a Berlinale suspenderá o Prêmio Alfred Bauer do Urso de Prata com efeito imediato", afirmou a organização, que prometeu realizar uma investigação à parte sobre o caso.

Segundo a Die Ziet, Bauer controlava e supervisionava o uso de atores, diretores, câmeras e outros funcionários contratados pelo governo nazista para produzir filmes exibidos durante o Terceiro Reich de Hitler.

O Festival Internacional de Cinema de Berlim será realizado entre os dias 20 e 29 de fevereiro. Neste ano, o evento comemora seu 70º aniversário. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.