Parlamento egípcio não censura filme sobre homossexuais

O Parlamento egípcio decidiu não censurar obem-sucedido filme O Edifício Yacoubian, que aborda alguns temasdelicados como o homossexualismo, a tortura e a corrupção, porque"não danifica a moral nem as tradições egípcias". A decisão foi tomada pelo Comitê de cultura, informação e turismodo Parlamento. O comitê encarregado de avaliar o filme só mostrousuas reservas perante algumas cenas "que podem ser malcompreendidas", mas não chegou a censurá-lo. O filme, o mais caro da história do cinema egípcio, é exibidoatualmente em 72 salas e deve obter uma bilheteria recorde no Egito,pois em apenas duas semanas já arrecadou dez milhões de librasegípcias (US$ 1,8 milhão).Mais de cem deputados pediram a censura a algumas cenas A projeção do filme começou a ser discutida pelos parlamentaresdepois que mais de cem deputados pediram que fossem cortadas ascenas que "contradizem a moralidade", em referência a algumas sobreo homossexualismo, como as que mostram um respeitado jornalistahomossexual tendo relações com um soldado. Vários deputados defenderam o filme, entre eles o chefe do comitêde censura de produtos artísticos, Ali Abu Shadi, que afirmou que ofilme mostra a corrupção econômica, política, social e moral, "temasque devem ser tratados como se fossem doenças". A mesma postura foi expressada pelo deputado Emad Adib, produtordo filme, que insistiu na liberdade de criatividade sempre que essarespeite os princípios da sociedade e da religião. O Edifício Yacoubian conta a história de uma comunidade devizinhos de um imóvel que viveu dias melhores e que agora abrigadesde aristocratas nostálgicos do Cairo da época da colonização atébóias-frias miseráveis que têm que se contentar em viver no telhado. Além do jornalista homossexual, o outro personagem que despertapolêmica é Taha, um jovem que, após ser rejeitado na academia deoficiais de Polícia por suas origens humildes, entra para um grupofundamentalista, é detido, torturado e estuprado por policiais eacaba se envolvendo com o terrorismo islâmico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.