Para Scorsese, filme sobre Stones ficará 'para gerações futuras'

Os Rolling Stones vêm respondendo aperguntas sobre quando vão aposentar suas guitarras desdemeados dos anos 1960, quando a banda foi formada. Hoje, mais de 40 anos depois, o novo filme do diretorMartin Scorsese sobre a banda britânica mostra os veteranosroqueiros desafiando os anos e Mick Jagger dando umaperformance digna de um homem com um terço de sua idade. Scorsese argumenta que a questão de se os dois shows de2006 em Nova York mostrados no filme estarão entre os últimosdos Stones não vem ao caso, embora uma das razões de fazer"Shine a Light" foi preservar os Rolling Stones para o futuro. "O filme pode dar às gerações futuras alguma idéia de comoé uma banda trabalhando sobre o palco, para que elas possamapreciar quem foram os Rolling Stones", disse Scorsese àReuters depois de o filme ser exibido para a imprensa noFestival de Cinema de Berlim. Aos 65 anos de idade, o cineasta nova-iorquino temaproximadamente a mesma idade que os Stones, e a música dabanda formou a trilha sonora de sua vida, exercendo forteinfluência sobre seu trabalho, disse ele. "O som dos Stones, a construção das canções, a natureza dosacordes empregados, o som da voz, da voz de Jagger, tudo issome influenciou", disse Scorsese em entrevista. Ele acrescentou que os Rolling Stones fazem parte de seu"DNA musical cinematográfico", explicando porque a canção"Gimme Shelter", por exemplo, está presente em tantos de seusfilmes. Ela influenciou os filmes, não apenas o som deles. "Eles certamente influíram sobre as imagens. Veja 'CaminhosPerigosos' -- o filme tem uma ousadia semelhante à canção." A relação de Scorsese com o rock data de décadas atrás.Seus créditos incluem o de "diretor de segunda unidade" nodocumentário "Woodstock", de 1970, e de "supervisor demontagem" em "Elvis on Tour", de 1972. Em 1978 ele lançou "O Último Concerto de Rock", sobre a TheBand, e, quase 30 anos mais tarde, "No Direction Home: BobDylan". Scorsese resistiu à tentação de fazer um documentáriocompleto sobre os Rolling Stones, argumentando que para fazê-lobem feito seria necessário um filme com 10 a 12 horas deduração. Em lugar disso, optou por "mostrar quem eles são, como é aperformance deles, que é a razão de eles continuarem seapresentando depois de 40 anos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.