Reuters
Reuters

Para Andy García, atuar é 'como estudar medicina'

Ator de 'O Poderoso Chefão: Parte III' e 'Os Intocáveis' declarou que essa é a mensagem que tenta passar às suas filhas, que pretendem seguir a carreira do pai

EFE,

18 de agosto de 2011 | 19h45

O ator Andy García considera a carreira pela qual dedicou 30 anos de sua vida como a de um médico: "Tem que estudar, se preparar e levar a sério para conseguir sucesso".

 

"Sempre digo, a arte é como a medicina", declarou à Agência Efe, assegurando que esta é a mensagem leva para suas filhas Dominik e Danielle, que seguiram seus passos e desde pequenas se dedicam ao balé e ao teatro.

 

Para o ator, "a preparação é essencial porque qualquer um pode abrir uma porta, inclusive eu, como abro para minhas filhas, para um amigo, recomendando-o a um diretor, mas quando essa porta se fecha, só sobra você e a sua arte e temos que causar uma boa impressão."

 

O ator, também produtor, diretor e roteirista, diz à suas filhas que é importante, mesmo não conseguindo o papel por qualquer motivo, que "quando saírem de um teste, digam ''ótima atriz'', e não se esqueçam de você, que cause uma impressão positiva, cause repercussão. Assim se constrói uma carreira".

 

Andy García trabalhou em quatro projetos com Dominik, o mais recente Magic City Memoirs (ainda sem título em português), do qual é produtor executivo e estreia nesta quinta-feira em Nova York, no Festival Internacional de Cinema Latino. O longa lhe renderá um tributo por sua carreira bem sucedida, antes da sua exibição.

 

Em declaração à Efe, disse que se tivesse que escolher algum papel em sua carreira ficaria com os seus filmes O Poderoso Chefão III (1989), onde interpretou Vincent Mancini Corleone, filho de Sonny Corleone, que rendeu uma indicação ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, assim como A Cidade Perdida (2006), que marcou sua estreia como diretor de cinema e retrata Cuba dos anos 1950.

 

Em terceiro lugar, destaca a experiência de ter trabalhado com o mestre do contrabaixo, o cubano Israel López "Cachao", para a trilha sonora de A Cidade Perdida, assim como os documentários que fez sobre a vida do músico.

 

"Essas seriam as três coisas que guardaria comigo", disse Andy, a quem o público verá a partir de sexta-feira em salas de cinema dos EUA no longa 5 Days of War (ainda sem título em português) do finlandês Renny Harlin, no qual interpreta o presidente da Geórgia Mikhail Saakashvili, e que mostra a guerra desse país com a Rússia em 2008.

 

Andy García, já interpretou muitos personagens e fará Gregorio Fuentes, o capitão do barco "Pilar" do famoso escritor americano Ernest Hemingway, em seu próximo filme, o qual escreveu e agora procura financiamento. Anthony Hopkins fará o papel de Hemingway (1899-1961).

 

"Escrevi um filme sobre a vida de Ernest Hemingway e sua relação com Gregorio Fuentes. O mundo da pesca e o povo do mar sempre me interessaram, por serem ao mesmo tempo humildes e grandiosos", indicou.

 

Nascido em 18 de julhor de 1897 em Puerto de Arrecife (Lanzarote), Gregorio Fuentes chegou ao Caribe nos anos 1920 e conheceu o escritor americano casualmente, durante uma de suas travessias marítimas. O pescador morreu em 2002 aos 104 anos.

 

"Para mim Gregorio Fuentes é um personagem histórico", disse ao se referir ao pescador que inspirou o solitário personagem do romance de Hemingway O Velho e o Mar.

Tudo o que sabemos sobre:
Andy García

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.