Mario Anzuoni/ Reuters
Mario Anzuoni/ Reuters

Pantera Negra, super-herói e embaixador da diversidade

No Brasil, o filme tem estreia programada para 15 de fevereiro

AFP

01 Fevereiro 2018 | 15h06

Pantera Negra, o primeiro filme sobre um super-herói negro, chega aos cinemas em meio a uma batalha em Hollywood por mais diversidade e igualdade de gênero.

Meses depois do grande sucesso de Mulher Maravilha, os olhares se voltam agora para T'Challa, o rei e protetor da fictícia nação africana de Wakanda, interpretado por Chadwick Boseman.

O personagem Pantera Negra, que apareceu em Capitão América: Guerra Civil (2016), é considerado o primeiro super-herói negro com o próprio filme no universo Marvel.

** "Vai dar representatividade a jovens negros", diz Danai Gurira sobre 'Pantera Negra'

Também foi o primeiro a figurar nos quadrinhos americanos - apareceu no Quarteto Fantástico em 1966 -, mas não se pode ignorar o caminho aberto, por exemplo, por Wesley Snipes com Blade e Halle Berry como Tempestade em X-Men e no filme Mulher-Gato.

Luke Cage, outro personagem da Marvel, tem uma série no Netflix.

Mas o Pantera Negra será o embaixador da diversidade? O filme fará sucesso suficiente para novos investimentos dos estúdios em personagens negros?

** Kendrick Lamar vai ser o curador da trilha sonora de ‘Pantera Negra’

As expectativas são elevadas para o filme de Ryan Coogler (Creed: Nascido para Lutar, 2015), que aos 31 anos é um dos diretores promissores de Hollywood.

A empresa Exhibitor Relations espera uma arrecadação de 135 milhões de dólares no fim de semana de estreia - 16 de fevereiro - nos Estados Unidos e Canadá e um faturamento total de 375 milhões neste mercado.

No Brasil, o filme tem estreia programada para 15 de fevereiro.

Sotaque africano. A crítica elogiou a combinação de grandes perseguições, cenários futuristas, humor e heróis com um figurino e maquiagem inspirados em guerreiros africanos.

A imprensa não escondeu o entusiasmo com o elenco que, além de Boseman, inclui estrelas como Lupita Nyong'o, Daniel Kaluuya, Angela Bassett, Forest Whitaker e Michael B. Jordan.

A crítica do Los Angeles Times Jen Yamato escreveu no Twitter que o filme é "incrível e com um propósito", enquanto o Washington Post afirma que definirá um momento do cinema.

Atores como Donald Glover, que interpreta Lando Calrissian em Han Solo: Uma História Star Wars, disse que o filme é "belo", enquanto o diretor de Homem-Formiga, Peyton Reed, afirmou que a produção tem "alma, reflexão e está no momento".

"Não posso descrever a sensação de estar sentado e assistir o filme, me ver na tela, pessoas que se parecem comigo e me sentir com poder, abordando temas sociais relevantes, mas em um filme que você pode curtir", afirmou na pré-estreia Michael B Jordan, que interpreta o rival de T'Challa.

Boseman, nascido na Carolina do Sul em uma família procedente de Serra Leoa, contou como decidiu dar ao personagem um refinado sotaque do leste da África - apesar das tentativas de algumas pessoas de que mudasse de ideia.

"Fui categórico", disse. "As entonações e melodias de um sotaque africano são tão clássicas como as da Grã-Bretanha ou Europa".

** Chadwick Boseman, o 'Pantera Negra', diz não estar pronto para a fama

O filme também reserva um espaço preponderante às mulheres.

"Na cultura africana sinto que não há rei sem rainha. E esta história ressalta a rainha, a guerreira, a general, a jovem irmã", disse Angela Bassett, que interpreta a mãe de T'Challa, Ramonda.

Boseman voltará ao cinema como Pantera Negra em maio, quando estreia o novo filme da franquia Os Vingadores, Guerra Infinita.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.