Hannibal Hanschke/Reuters
Hannibal Hanschke/Reuters

Pandemia força Festival de Cinema de Berlim a mudar de formato

Berlinale começa na segunda-feira de maneira mais discreta e transmitida para uma plateia seleta

Erol Dogrudogan, Reuters

26 de fevereiro de 2021 | 16h41

BERLIM - A Berlinale, um dos festivais de cinema mais abertos e públicos do mundo, começa na segunda-feira de maneira decididamente discreta e privada, já que será transmitido a uma plateia seleta de jornalistas e profissionais do setor, ao invés de ser exibida em cinemas lotados.

Os organizadores da 71ª edição da Berlinale, ou Festival Internacional de Cinema de Berlim, sempre se orgulharam de realizar exibições que são abertas a um público entusiasmado, ao contrário de Veneza ou Cannes, seus maiores rivais no calendário de festivais.

Este ano será diferente por causa da pandemia de Covid-19.

"É um golpe forte", disse Scott Roxborough, chefe da redação europeia da Hollywood Reporter e veterano do evento.

"Berlim é o maior festival público do mundo e vive de sua plateia, as milhares de pessoas de Berlim que vão assistir aos filmes."

Apesar disso, os organizadores esperam conseguir se manter fiéis às raízes da Berlinale preservando-a especialmente como o lar do cinema independente de arte com inclinação política, como cabe a uma instituição nascida em uma cidade dividida nas frentes da Guerra Fria.

"O transtorno causado pelos acontecimentos de 2020 levou os cineastas a tirar o máximo desta situação e criar filmes profundamente pessoais", disse o diretor artístico Carlo Chatrian.

O público será convidado para exibições do festival deste ano em junho, altura em que as autoridades esperam que as vacinações terão permitido a reabertura dos cinemas.

Tudo o que sabemos sobre:
Festival de Berlim [cinema]cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.