Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Osmar Terra nomeia Comitê Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual

Comitê é responsável por definir o Plano Anual de Investimento, que determina ocronograma de abertura de editais de fomento para a indústria; notícia é bem recebida porempresários do setor

Samuel Costa, Especial para 'O Estado'

24 de outubro de 2019 | 19h56


Após dez meses de espera, o Comitê Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual (CGFSA) foi nomeado pelo ministro da Cidadania Osmar Terra. O setor esperava a publicação dessa portaria desde o início do ano para que fossem anunciados os editais de fomento referentes a 2019. O Comitê é o responsável pela elaboração do Plano Anual de Investimento (PAI) do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e, portanto, é ele quem define o cronograma e a forma como os recursos serão distribuídos pela cadeia cinematográfica. 

Mariza Leão, produtora do De Pernas Pro Ar 3 e ex-membro do Comitê, comemora a publicação da portaria. “Depois de dez meses, ver o nosso arcabouço institucional ficar de pé é um alívio. Acho que o foco de hoje é poder respirar”, diz a produtora. Para ela, a notícia chega em um bom momento, após a estruturação do Conselho Superior de Cinema, que define as diretrizes da política pública direcionada para indústria audiovisual. “A nossa institucionalidade começa a se reerguer de forma mais concreta agora, espero que as políticas voltem a ser delineadas pelo Conselho Superior e que o Fundo Setorial volte a operar normalmente”. 

A expectativa agora é que o Comitê agende a sua primeira reunião, de acordo com Leonardo Edde, presidente do Sindicato Interestadual da Indústria Audiovisual (Sicav), o encontro dos membros deve ser marcado com urgência. “Agora é manter a movimentação para que as coisas comecem a se destravar”, diz. Para Edde, a Casa Civil está tendo papel importante nessa retomada das regularização do funcionamento do setor. O representante, porém, pontua que neste ano não tem nenhum produtor como membro titular do CGFSA. “A gente não tem poder de voto nesta composição, o que faz a nossa demanda para que o comitê seja paritário fique mais forte. Queremos discutir de igual para igual com o governo”, Afirma. 

No total, foram nomeados nove membros, que terão mandato de dois anos, a serem contados a partir desta quinta, 24. O comitê é composto por seis membros do governo e três da sociedade civil, que representam a indústria do audiovisual. O ministro da Cidadania, Osmar Terra, é quem preside o comitê. A Ancine, por sua vez, é a secretaria- executiva, responsável pela operação do Plano definido pelos membros do comitê e quem a representa neste exercício é o diretor-presidente interino Alex Braga. 

Além dos dois, participam do grupo: Ricardo Rihan (secretário do Audiovisual), Fernando Wanddscheer de Moura Alves (secretário executivo adjunto da Casa Civil), Josué Custódio Fernandes (chefe da assessoria de comunicação do Ministério da Educação) e Ricardo Rivera (chefe do departamento de Telecom, TI e Economia Criativa do BNDES). 

Entre os representantes da sociedade civil está Hiran Silveira, diretor de aquisições da Record TV. Ele é um dos principais nomes da implementação da operação RecNov, que impulsionou a produção de teledramaturgia no canal aberto. Outro membro é Paulo Cursino, roteirista de diversos sucessos de bilheteria e programas de TV de sucesso como os filmes De Pernas Pro Ar 1 e 2 e o programa A Grande Família, da Rede Globo. Fecha a lista Cícero Aragon, diretor-presidente da Box Brazil, programadora de TV por assinatura que é proprietária dos canais Prime Box Brazil, Music Box Brazil e FashionTv.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.