Paul Buck/EFE
Paul Buck/EFE

Oscarizado Colin Firth critica censura de 'O Discurso do Rei' nos EUA

Menores de 17 anos só poderão ver o filme acompanhados de pais ou responsáveis

EFE,

01 de março de 2011 | 10h28

LONDRES - O ator Colin Firth, agraciado com o Oscar de melhor ator por seu papel no filme O Discurso do Rei, criticou a versão com cenas censuradas que foi distribuída nos Estados Unidos.

 

Segundo o diário The Guardian, o ator criticou a decisão da distribuidora nos EUA, a Weinstein, de publicar uma versão da qual foram eliminados os palavrões que o personagem de Firth, o rei George VI, pronuncia em determinado momento.

 

Os palavrões "têm um sentido. Não é que eu goste deste tipo de linguagem, mas no contexto do filme não poderia ser mais apropriado. Não acaba sendo vicioso nem insultante", disse o ator britânico.

 

O diretor do filme, Tom Hooper, também vencedor do Oscar, se mostrou descontente com a censura americana, mas disse que é importante que a produção abranja toda a audiência.

 

A princípio, os censores deram à produção a qualificação "R", o que significa que os menores de 17 anos deviam ir acompanhados.

 

O distribuidor americano tentou em vão aprovar a produção para o público mais jovem e então optou por eliminar todas as palavras que soariam mal para o público mais jovem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.