Oscar destaca <i>Os Infiltrados</i> e <i>Labirinto do Fauno</i>

O filme Os Infiltrados foi o grande vencedor da 79.ª edição do prêmio Oscar de Hollywood, em uma noite que ficou marcada para Martin Scorsese, que volta para casa com uma estatueta após sete indicações. O filme de Scorsese conquistou ainda outras duas estatuetas, de melhor roteiro adaptado e de melhor montagem.A decepção da noite ficou com o filme mexicano Babel, que concorria a sete estatuetas, mas conquistou apenas a de melhor trilha sonora, com o argentino Gustavo Santaolalla, ganhador do mesmo prêmio no ano passado por O Segredo de Brokeback Mountain.Mas o diretor mexicano Guillermo del Toro viu seu filme ser o segundo maior vencedor da noite, ficando atrás apenas de Os Infiltrados, que faturou quatro prêmios. O Labirinto do Fauno levou metade das seis estatuetas que disputava, como as de melhor direção de arte (Eugenio Caballero e Pilar Revuelta), melhor maquiagem (Montse Ribé e David Martí) e melhor fotografia (Guillermo Navarro). No entanto, perdeu na categoria de melhor filme estrangeiro, que ficou com a produção alemã A Vida dos Outros.Os outros filmes mais premiados foram Pequena Miss Sunshine, Dreamgirls - Em Busca de um Sonho e Uma Verdade Inconveniente, com duas estatuetas cada.Longa e sem graçaA cerimônia, que durou pouco mais de quatro horas, foi comandada pela apresentadora e atriz americana Ellen DeGeneres, que disse que apresentar a festa era seu sonho de criança, além de afirmar, como gay assumida, que sem gays e negros o Oscar não existiria. Um momento engraçado foi quando brincou com os diretores Clint Eastwood e Martin Scorsese, que polarizavam as preferências. E uma alfinetada política, ao se referir às polêmicas eleições americanas de 2000, quando Al Gore perdeu para George Bush, numa votação cujo resultado nunca ficou muito claro.Al Gore, o ex-vice-presidente dos Estados Unidos foi um dos maiores destaques da noite por conta de sua campanha contra o aquecimento global do documentário Uma Verdade Inconveniente, conduzido por Al Gore e dirigido por Davis Guggenheim, que levou os prêmios de melhor documentário e de melhor canção para I Need to Wake Up, de Melissa Etheridge. Melissa protagonizou a cena gay da noite, ao dar um beijo na boca de sua companheira Tammy Lynn Michaels ao ouvir seu nome como a ganhadora do Oscar e depois, no final dos agradecimentos, dedicou o prêmio a Tammy.Os prêmios de melhor ator e atriz já eram cartas marcadas: o texano Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia) e a britânica Helen Mirren, pelo papel de rainha Elizabeth II em A Rainha.O favoritismo também prevaleceu no prêmio de melhor atriz coadjuvante, que ficou com a americana Jennifer Hudson (Dreamgirls - Em Busca de um Sonho), que em sua estréia como atriz já havia conquistado o Globo de Ouro na categoria. Já o prêmio de ator coadjuvante foi uma das maiores surpresas da noite, ao ficar com o veterano Alan Arkin (Pequena Miss Sunshine) e não com o favorito Eddie Murphy. O comediante, que é um dos maiores do gênero nos EUA, fez um papel elogiadíssimo em Dreamgirls, mas não convenceu a Academia.Outra surpresa da noite foi o Oscar de animação ter sido concedido a Happy Feet: o Pingüim e não a Carros, que era tido como o favorito na festa do 79.º Oscar da Academia de Hollywood.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.