Oscar de melhor atriz contrapõe Kate Winslet e Meryl Streep

Kate recebe sua 6.ª indicação ao prêmio, enquanto Meryl é a grande recordista, chegando a sua 15.ª indicação

EFE,

22 de fevereiro de 2009 | 05h59

Um duelo entre a experiência e a juventude define a competição pela estatueta de Melhor Atriz na 81ª edição do Oscar, enquanto na categoria que premia a melhor coadjuvante a disputa é bem mais indefinida, podendo dar margem às reviravoltas que sempre tornam a cerimônia mais interessante ano após ano.   Por melhor atriz, a disputa ocorre entre a favoritíssima Kate Winslet, por O Leitor, e a veterana Meryl Streep, por Dúvida. Mas aqui também não é possível desconsiderar de todo o fator surpresa e o crescimento registrado nos últimos tempos pela indicação de Anne Hathaway em O Casamento de Rachel. Winslet conta com a vantagem de ter vencido os principais prêmios dessa categoria nos festivais internacionais.   Ao mesmo tempo, porém, o fato de seu papel em O Leitor ter sido considerado de coadjuvante por algumas bancas - como no caso do Globo de Ouro e do Critics Choice Awards - pode enfraquecer sua candidatura, segundo a professora de cinema da Universidade Federal Fluminese (UFF) Marcela Amaral. Por sua vez, Marcelo Hessel, crítico do site Omelete, acredita que, apesar do favoritismo de Winslet, não seria estranho se Streep vencesse a competição, já que foi indicada 15 vezes ao Oscar e só conquistou duas estatuetas - a de atriz coadjuvante por Kramer vs. Kramer, em 1980, e a de melhor atriz por A Escolha de Sofia, em 1983.   Ele, porém, destaca que a mesma lógica começa a valer para Winslet, que, apesar de bem mais nova, desde 1996 já foi indicada quatro vezes ao Oscar de Melhor Atriz e duas ao de Melhor Atriz Coadjuvante. Já a professora da UFF acredita que as duas atrizes são muito boas e têm um grande domínio das técnicas de atuação, e que, nesse caso, o critério de desempate seria a experiência de Streep e o fato de ter sido bastante indicada, mas pouco premiada, mais até do que o merecimento pela interpretação no drama Dúvida.   Na mesma categoria, a jovem Anne Hathaway vem correndo por fora, mas sua candidatura tem ganhado força nos últimos tempos, principalmente após a conquista do Critics Choice Awards de Melhor Atriz. Fora da disputa mesmo estão, na opinião dos especialistas, Angelina Jolie, por A Troca, de Clint Eastwood, e Melissa Leo, de Rio Congelado.   A competição fica mais interessante no quesito Melhor Atriz Coadjuvante. Para os críticos, as cinco candidatas são muito boas, e não há uma clara favorita, apesar do bom desempenho da espanhola Penélope Cruz nos festivais de cinema internacionais.   Além disso, a professora da UFF considera que o fato de haver duas indicadas pelo mesmo filme - Amy Adams e Viola Davis, por Dúvida - pode fortalecer a candidatura de Penélope. No entanto, ela aposta em Amy Adams, que tem um personagem muito forte no filme, mas também não descarta Taraji P. Henson, de O Curioso Caso de Benjamin Button, que, na sua opinião, teve uma atuação impressionante.   Henson é considerada pelo crítico do site Omelete como a menos propensa a ganhar a estatueta, enquanto sua favorita também é Adams. O único a apostar suas fichas em Penélope é o crítico de cinema Rubens Edwald Filho, que ressalta os prêmios internacionais vencidos pela espanhola com Vicky Cristina Barcelona.   A única que parece meio esquecida na disputa é Marisa Tomei, indicada por sua atuação em O Lutador, mas, mesmo assim, a estrela não pode ser desprezada, já que, em 1993, contrariando as expectativas, venceu o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo despretensioso Meu Primo Vinny.

Tudo o que sabemos sobre:
Oscar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.