Matt Kennedy/Marvel Studios-Disney via AP
Matt Kennedy/Marvel Studios-Disney via AP

Oscar 2019 deve estar mais perto do grande público

Premiação volta a olhar para os blockbusters como melhores filmes; Disney está em intensa campanha para ‘Pantera Negra’

Christopher Palmeri, Bloomberg

06 de janeiro de 2019 | 03h00

Este ano, a disputa pelo Oscar será a mais aberta de que temos lembrança, dando a alguns sucessos a possibilidade de serem contemplados com o prêmio de melhor filme depois de anos de vitórias de produções independentes que se tornaram “queridinhas” do público.

Gold Derby, que monitora a disputa do Oscar, listou seis filmes baseados nas escolhas dos críticos: Nasce uma Estrela, drama protagonizado por Bradley Cooper e Lady Gaga é o favorito por 21 entre 30 no website. Mas falta convicção, com chances de 13 para 2, uma pequena margem em relação a Roma, um tributo do diretor Alfonso Cuarón à sua infância no México, cujas chances são de 15 para 2.

Este também pode ser um ano em que o vencedor será um filme visto por muita gente. Nasce uma Estrela arrecadou mais de US$ 388 milhões em vendas de ingressos em todo o mundo. Roma vem sendo exibido em um punhado de cinemas para garantir sua indicação ao Oscar e bastante promovido na Netflix, que possui mais de 137 milhões de assinantes globalmente. As indicações serão anunciadas em 22 de janeiro e a cerimônia de premiação está marcada para 24 de fevereiro.

Outros filmes muito vistos com fortes chances de indicação são Pantera Negra, com uma bilheteria de US$ 1,5 bilhão no mundo todo, e Bohemian Rhapsody, que arrecadou US$ 702,5 milhões. O vencedor do ano passado, A Forma da Água, contabilizou US$ 195,2 milhões – e grande parte depois da indicação ao Oscar.

“Ver um filme como Pantera Negra na conversa é encorajador”, disse Phil Contrino, diretor de pesquisa da Associação Nacional de Proprietários de Cinemas. “Mostra que a premiação está mais em sintonia com o que o público pagante está preferindo”.

Dois concorrentes potenciais foram lançados em dezembro: Vice, filme biográfico satírico sobre Dick Cheney, e On the Basis of Sex, sobre os primeiros anos na função da juíza Ruth Bader Ginsburg na Suprema Corte dos Estados Unidos. Do ponto de vista comercial, filmes menores como estes se beneficiam das indicações mais notórias com muitos fãs de cinema ouvindo falar deles pela primeira vez.

A disputa começa em 6 de janeiro quando a Associação da Imprensa Estrangeira outorga os seus Globos de Ouro na NBC. Mas os cinéfilos terão mais clareza quanto aos seus favoritos no final do mês, quando começam as entregas de diversos prêmios. Em particular, os fãs devem acompanhar as escolhas do Screen Actors Guild, que representa o bloco maior de votantes na Academia e deve anunciar seus vencedores em 27 de janeiro. O Bafta Awards, distribuído no início de fevereiro pela Academia Britânica de Artes do Cinema e Televisão também é uma premiação com muita influência.

Nasce uma Estrela tem muita coisa a seu favor, incluindo a direção e o papel principal interpretado por Bradley Cooper, um dos mais populares astros de cinema, como também uma trilha sonora de sucesso e o fato de abordar o mundo do entretenimento, tema que sempre seduz os eleitores do Oscar, que são os membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. É também produção de um grande estúdio – a Warner Bros. O último filme de um estúdio importante a ser consagrado com um Oscar foi também da Warner: Argo, premiado em 2011.

Roma, ao contrário, foi exibido em algumas salas apenas, as preferidas dos amantes de cinema. Filmado em preto e branco por um diretor que já conquistou um Oscar em 2013, Roma precisará superar a relação incômoda de Hollywood com Netflix e a má vontade do serviço de streaming de distribuir seus filmes amplamente nos cinemas.

Disney está em intensa campanha para ‘Pantera Negra’

Se a primeira película de super-herói da companhia ganhar, a imagem da empresa vai melhorar muito

Pantera Negra tem força própria. A academia tem escolhido mais filmes que focam em minorias em resposta a críticas como as da campanha na mídia social #OscarSoWhite. A organização teve problemas em dezembro quando anunciou que o ator afro-americano Kevin Art seria o apresentador na festa de premiação, para depois voltar atrás depois de comentários homofóbicos feitos por ele no Twitter.

Pantera Negra será a primeira película de super-herói a ser indicada para melhor filme. Seu elenco é inteiramente negro e ele mostra um super-herói que entra em ação para impedir a exploração dos recursos naturais em uma nação africana fictícia.

A Walt Disney Co., que lançou o filme como parte do seu universo Marvel, está em intensa campanha pelo prêmio, incluindo uma recepção para mais de 100 membros da academia em um evento em West Hollywood. O diretor executivo Bob Iger chegou até a pedir para Oprah Winfrey, que não tem nada a ver com o filme, ir ao evento e mostrar seu apoio.

Ter Pantera Negra entre os indicados melhoraria a imagem da Disney junto aos cineastas e ajudará a aumentar a audiência da TV para a cerimônia do Oscar, transmitida pela rede ABC, que nos últimos anos viu diminuir o número de telespectadores. A academia tem manifestado interesse por filmes mais populares para expandir essa audiência.

“Se reconhecerem um filme com esse impacto político e cultural será algo formidável”, disse Barton Crockett, analista da B. Riley FBR Inc. “Será muito bom para o setor cinematográfico”. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Mais conteúdo sobre:
Oscar [prêmio de cinema]cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.