Divulgação
Divulgação

Oscar 2014 reconhece cientistas por trás do cinema

Academia premia avanços tecnológicos que revolucionaram técnicas de filmagem

Mary Milliken , Reuters

17 de fevereiro de 2014 | 17h52

Dos invetores dos carrinhos pneumáticos aos desenvolvedores de software que substituíram as esculturas de argila pelas digitais, dúzias de inovadores que costumam ficar atrás das câmeras deram as caras no último sábado, 15, para receber o reconhecimento da indústria cinematográfica.

Duas semanas antes do Oscar 2014, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas entregou os prêmios para conquistas científicas e técnicas para filmes como Avatar, A Vida de Pi e Gravidade. Enquanto a cerimônia que acontece no próximo dia 2 de março reconhecerá apenas os lançamentos de 2013, os prêmios entregues no último fim de semana reconhecem as contribuições e inovações que colaboraram para o processo de filmagem nos últimos anos e décadas. Este ano, foram entregues certificados e placas a 52 pessoas por 19 conquistas científicas e técnicas, além de duas estatuetas do Oscar e uma medalha de reconhecimento.

Joshua Pines, que levou o prêmio por seu método de correção de cor, chamou o evento de "Olimpíada de inverno dos geeks". Um dos primeiros prêmios da noite foi para o homem que criou um carro com pneumáticos usado em filmes como Independence Day e O Vingador do Futuro. Conforme as filmagens saíram dos sets e partiram em direção a lugares reais, como o centro de Los Angeles, tiveram de desenvolver um método seguro e confiável de usar carros. "Tínhamos de saber exatamente onde o carro ia parar quando saíamos com ele", explica o vencedor John Frazier. Outra técnica premiadas foi a câmera voadora, que pode ser programada à distância com precisão.

A cerimônia celebrou ainda softwares de filmagem digital, como a composição digital, que permite colocar imagens em camadas e dá profundidade ao filme final.

Outro vencedor, Eric Veach, ganhou uma estatueta por seu trabalho científico e de engenharia desenvolvido há muitos anos, e que permitiu transformar a computação gráfica e a iluminação usada em filmes como Gravidade. Veach diz que ficou surpreso de terem lido sua tese e usado seus achados para fazer filmes.

Homenageados também vieram de lugares que não Hollywood, como o Vale do Silício e a Nova Zelândia, lar da Weta Digital, empresa de efeitos visuais que trabalhou em O Hobbit, de Peter Jackson, e é onde estão muitos dos vencedores da noite.

Inovadores de empresas como Dreamworks, Pixar, Walt Disney e Warner Bros também levaram prêmios para casa. Uma das estatuetas foi para o supervisor de efeitos especiais e diretor de fotografia Peter Anderson, um especialista em 3D. "Sem a ciência, onde a arte estaria? E sem a arte, onde ciência estaria?"

Tudo o que sabemos sobre:
Prêmio Oscar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.