Os melhores papéis de Brad Pitt

Os melhores papéis de Brad Pitt

Por qual interpretação o ator mereceu levar o Oscar? Ajude a escolher

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

11 de setembro de 2019 | 08h15

Há décadas, Brad Pitt é muito mais do que um rostinho bonito em Hollywood. Ator versátil, de expressões faciais a sotaques diversos, ele já viveu de tudo no cinema: de gerente de baseball a dublê profissional, de instrutor de ginástica a vampiro. Agora, ele vive Roy McBride, um astronauta designado para postos remotos da galáxia no futuro lançamento Ad Astra, drama dirigido por James Gray, do qual Pitt é também produtor.

Até agora, seu único Oscar foi vencido justamente no papel de produtor, por 12 Anos de Escravidão, o melhor filme de 2014 segundo a Academia — onde Pitt interpreta, também de maneira memorável, Bass, um raro abolicionista.

Ainda que o seu Cliff Booth (o dublê profissional que divide a tela com Leonardo DiCaprio no novo Era Uma Vez Em... Hollywood) tenha uma chance no próximo prêmio da Academia, Pitt poderia facilmente ter levado o prêmio por qualquer um desses papéis abaixo. Qual o seu preferido?

Jeffrey Goines em Os 12 Macacos (1995)

Criado à sombra do pai prêmio Nobel, Jeffrey se traumatiza com o tratamento cruel do cientista em relação aos animais. Vivendo num asilo para pacientes psiquiátricos, o personagem tenta convencer as autoridades que não é maluco. A primeira indicação ao Oscar de Brad Pitt.

Richard em Babel (2006)

Alejandro G. Iñárritu começava a se "infiltrar" em Hollywood, e antes de sua parceria prolífica com Leonardo DiCaprio, dirigiu Brad Pitt nesse belo e trágico filme sobre desencontros. Pitt foi indicado ao Globo de Ouro pelo papel.

Benjamin Button em O Curioso Caso de Benjamin Button (2008)

O filme de David Fincher foi indicado a 13 Oscars, mas acabou levando três, em categorias técnicas. Inspirado numa história de F. Scott Fitzgerald, Pitt interpreta o protagonista, que vive o tempo de maneira reversa que todo o resto da humanidade. Inesquecível.

Chad Feldheimer em Queime Depois de Ler (2008)

Um dos filmes mais subestimados dos Irmãos Coen traz, como de costume, um elenco superestrelado em atuações fantásticas. Mas talvez a mais memorável delas seja o instrutor de ginástica, meio malandrão e meio inocente, retratado aqui por um bem disposto Brad Pitt.

Billy Beane em O Homem Que Mudou o Jogo (2011)

Mesmo quem não entende uma regra sequer do jogo popular nos EUA consegue se espantar com a qualidade do trabalho de Pitt nesse filme, interpretando o "general manager" de um time de baseball que precisa de uma ajuda da ciência, e do instinto, para montar um time competitivo.

 

 

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    cinemaBrad Pitt

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.