Original, <i>Pequena Miss Sunshine</i> se aproxima do Oscar

Os criadores de Pequena Miss Sunshine sabem que é irônico o fato de que seu filme, um repúdio irreverente da cultura competitiva, é um dos principais candidatos ao maior concurso de beleza de Hollywood: o Oscar.Em seu percurso acidentado do limbo de produção para favorito dos festivais de cinema e, agora, favorito ao Oscar, essa comédia de baixo orçamento sobre uma família disfuncional que atravessa o país numa kombi já comprovou que é um filme pequeno em condições de concorrer ao prêmio maior do cinema.Pequena Miss Sunshine recebeu quatro indicações ao Oscar, incluindo a de melhor filme.Ninguém se surpreendeu mais com tudo isso do que o roteirista novato do filme ou a dupla de marido e mulher que fez sua estréia na direção com Miss Sunshine.O roteirista Michael Arndt comentou: "Isso vem confirmar a idéia de que qualquer pessoa munida de computador pode se sentar e escrever um roteiro - sem contar com agentes, créditos ou qualquer experiência anterior -, e, se tiver muita sorte, pode fazer sucesso".Sua história, sobre uma garota que é candidata improvável num concurso de beleza mirim e uma família cujos membros se aproximam em função das decepções sofridas na vida, foi indicada para o Oscar de melhor roteiro original. LutaPequena Miss Sunshine foi lançado pela divisão de filmes de arte da 20th Century Fox, a Fox Searchlight. É o primeiro roteiro de um longa escrito por Arndt que chega a ser produzido, tendo sido abandonado inicialmente por outro estúdio depois de três anos em desenvolvimento.Em entrevista, o roteirista contou que já tinha desistido do projeto. "Mas o ano passado inteiro foi uma espécie de Lei de Murphy invertida. Tudo o que poderia dar certo deu certo."Para o casal Jonathan Dayton e Valerie Faris, que dirigiu Miss Sunshine, é marcante o paradoxo entre a mensagem do filme, contrária aos concursos, e a disputa pelo Oscar.Feito com US$ 8 milhões, o filme tem um clima de pequena escala que o diferencia das produções maiores que costumam ser bem vistas pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.Sucesso inesperadoJustapondo Alan Arkin no papel de avô mal-humorado, que cheira heroína e gosta de pornografia, com Abigail Breslin, de 10 anos, no papel da corajosa heroína, Olive, o filme bizarro e engraçado emocionou e divertiu o público.Leonard Maltin, crítico de cinema do programa Entertainment Tonight, disse que Miss Sunshine lembra outros dois sucessos cômicos inesperados dos últimos anos: Ou Tudo ou Nada, de 1997, que recebeu quatro indicações ao Oscar e levou para casa o prêmio de melhor música, e Casamento Grego, de 2002, indicado para o Oscar de melhor roteiro.Alan Arkin e Abigail Breslin, ambos nomeados ao Oscar de atuação coadjuvante, lideram um elenco que inclui os atores indicados ao Oscar no passado Greg Kinnear e Toni Collette, nos papéis dos estressados pais de Olive, e Steve Carell, do seriado de TV The Office, como o tio suicida da garota.No mês de janeiro, o filme arrecadou quase US$ 60 milhões nas bilheterias americanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.